Conecte-se conosco

Brasil

Médicos da rede privada estão excluídos de vacinação, alerta sindicato

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.
O Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG) enviou, nesta segunda-feira, 01 de fevereiro, solicitação para a inclusão dos médicos da saúde suplementar, que atendem planos e operadoras de saúde e atuam na linha de frente dos atendimentos da COVID-19, no plano estadual de vacinação.
De acordo com o presidente da entidade, Fernando Luiz de Mendonça, estão sendo priorizados os médicos do setor público, o que é correto. No entanto, ele faz o alerta para não haver discriminação com os profissionais da rede privada.
“O plano de vacinação não discrimina setor público e privado. Mas, na prática, várias cidades não pensam profissionais de saúde suplementar”, diz.
Na capital, médicos de hospitais da rede privada foram vacinados, mas, o presidente alerta que, em outros municípios, a imunização desses profissionais não ocorreu.
O presidente pontua que, em Belo Horizonte, foram vacinados profissionais da rede suplementar que atendem nos hospitais. Mas, alerta que, neste segundo momento, foram priorizados os médicos da atenção básica de saúde, das unidades básicas de saúde.
No entanto, ele lembra que os profissionais da rede privada, que atendem em consultórios, estão sendo esquecidos. “Os médicos dos setores públicos e privados são importantes. O médico do setor privado não pode ser discriminado”, afirma.
O documento foi encaminhado à Secretaria de Estado de Saúde
e prefeitos de dezenas de municípios, incluindo Belo Horizonte. O Sinmed-MG informou que recebeu denúncias de médicos da saúde suplementar que, mesmo estando na linha de frente, ainda não foram vacinados.
O sindicato destaca que dos mais de 60 mil médicos que atuam no estado, uma grande parcela deles dedica-se ao atendimento na saúde suplementar seja nos centro de terapias intensiva (CTI) de hospitais, atenção primária ou até mesmo em consultórios. As queixas têm vindo principalmente de municípios do interior do Estado.
Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mostram que no estado, aproximadamente 30% da população é usuária de planos de saúde. Já em Belo Horizonte, o índice é de 48%.
O presidente alega que os gestores estão esquecendo os profissionais da rede suplementar. “É errado. Não pode discriminar. Pelo mesmo motivo que temos defendido o setor público.É preciso vacinar os médicos para garantir a continuidade da assistência”, diz.
O presidente destaca que o setor privado ajuda a desafogar o Sistema Único de Saúde (SUS). “Teríamos um caos se as pessoas que têm planos de saúde fossem procurar o SUS.”
FONTE: POR Márcia Maria Cruz –  ESTADO DE MINAS
Leia mais...
Propaganda

Mais lidas