Conecte-se conosco

Divinópolis

Denúncia: hospital de campanha opera sem kit intubação em Divinópolis

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Continua faltando medicamentos que integram o kit intubação para sedar pacientes em tratamento contra a COVID-19 no hospital de campanha em Divinópolis, Região Centro-Oeste de Minas Gerais. A denúncia foi feita pela Comissão de Saúde da Câmara nesta terça-feira (8/6), após vistoria feita no local.

O problema já tinha sido relatado no final de março pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social (IBDS) – responsável pela gestão da unidade – à Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Porém, nenhuma providência foi tomada.
Para intubar, estão sendo utilizados Procedex, Prometazina, Haloperidol e Clonazepam. Esses medicamentos são, respectivamente, ansiolítico/sedativo/analgésico, anti-histamínico, neuroléptico e benzodiazepina.
“Conforme explicado pelos profissionais, e como é de conhecimento dos membros dessa comissão, que possuem experiência na área de saúde, eles não são adequados à manutenção do paciente intubado, já que não são hipnóticos e permitem que o paciente tenha consciência e, assim, sofra demasiadamente com a respiração mecânica”, relatou o presidente da comissão, vereador Zé Braz (PV), no relatório.
Este não foi o único gargalo encontrado no hospital, que funciona junto com a Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Todos os pacientes observados durante a vistoria ao Centro de Terapia Intensiva (CTI) estavam recebendo oferta contínua de 100% de O2.


Isso já vem ocorrendo há mais de um mês, segundo informado pelos profissionais do setor à comissão.

“Os profissionais da área relataram que a oferta contínua de 100% de O2 é nociva ao paciente, pois pode causar lesões pulmonares”, afirmou o vereador Zé Braz (PV).

Outro problema é a insuficiência de bombas de infusão de medicamentos. “Tendo sido verificada a administração de drogas que deveriam ser por meio de bomba, através de equipo macro gotas”, contou o presidente da comissão.
As irregularidades foram informadas por meio de ofício ao Secretário Municipal de Saúde (Semusa), Alan Rodrigo da Silva.
Operando no limite
O hospital de campanha bateu 100% de ocupação na sexta-feira (4/6). Já nesta terça-feira (8/6), ele está operando com 86,67% das vagas do Centro de Terapia Intensiva (CTI) ocupadas, ou seja, 26 dos 30 disponíveis.
Na enfermaria, a taxa de hospitalização é de 75%, com 24 dos 32 leitos com pacientes.
A unidade é referência para 53 municípios da macrorregião Oeste, uma população estimada em 1,2 milhão de habitantes.
Vistoria
A assessoria de comunicação da prefeitura limitou-se a dizer que a Secretaria Municipal de Saúde determinou uma vistoria por parte da Vigilância Sanitária. Apenas após o relatório o órgão irá se manifestar sobre as denúncias.
O IBDS não se manifestou sobre o assunto até o momento.
Desde o início da pandemia, já são 70.252 casos notificados de COVID-19. Destes, 13.757 foram confirmados; 445 pessoas perderam a vida em decorrência da doença e outros sete óbitos estão em investigação.
Fonte: Portal Gerais
Foto: Divulgação/Prefeitura de Divinópolis

Mais lidas