Conecte-se conosco

Geral

Nota de esclarecimento do MPMG

Avatar

Publicados

em

“O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) esclarece que, em relação ao conteúdo “Vazamento de áudios apresentados por vereador sugere quebra do princípio da impessoalidade”, publicado pelo veículo O Popular, em sua edição do dia 17 de outubro, é papel da instituição atender aos interesses sociais e individuais indisponíveis, entre eles, o direito à saúde, e que, por meio de seus promotores de Justiça e servidores, está de portas abertas para receber o cidadão que se sentir lesado.

Apesar de manter interlocução com os diversos órgãos e poderes, estaduais e municipais, o MPMG é instituição que atua de forma independente para a garantia dos direitos da sociedade.

Na área da Saúde, entre as formas de atuação das Promotorias de Justiça, está a fiscalização do Sistema Único de Saúde (SUS), garantindo, inclusive por meio de ações judiciais, que a população tenha acesso aos serviços de assistência médica, laboratorial e hospitalar, triagem neonatal e fornecimento de medicamentos indispensáveis a tratamentos especializados.

Por isso, o MPMG lamenta que o veículo de comunicação, ao não seguir princípios básicos do jornalismo, como o de ouvir todas as partes citadas na matéria, ao invés de levar informação precisa e construtiva à população de Nova Serrana, presta-se a desinformar o cidadão, por meio de informações equivocadas, imprecisas e que demonstram desconhecimento quanto ao funcionamento das instituições.”

ERRAMOS

A reportagem do Jornal O Popular vem por meio desta reconhecer que por ter citado o Ministério Público na referida matéria, deveria ter buscado informações como a confirmação da relação dos citados profissionais junto ao órgão.

Contudo, nossa reportagem traz as seguintes considerações. Primeiramente a matéria reproduz um áudio que foi publicado oficialmente por um vereador em reunião ordinária da Câmara Municipal, não sendo algo exclusivo publicado por nossa reportagem.

Em segundo lugar o executivo municipal se pronunciou sobre o fato, deixando claro que os servidores os quais foram citados pelo primeiro nome, não fazem parte do executivo municipal.

Nossa equipe ainda reconhece que o teor do conteúdo possa ter gerado desconforto com o órgão, contudo não foi colocado em xeque a idoneidade da entidade Ministério Público, e como foi respondido pelo executivo municipal não existe quaisquer fissuras, uma vez que a prefeitura esclareceu que houve no fato apenas a orientação quanto aos procedimentos a serem tomados.

Também salientamos que as informações foram reproduzidas de conteúdo que foi tornado público pelo vereador e pode ser acessado por qualquer popular sendo compartilhado em redes sociais.

Quanto ao serviço de informar, nossas páginas e história compõe inúmeros inquéritos que estão relacionados a fatos que se tornaram públicos e tiveram repercussão justamente por abordarmos e dar a eles publicidade. Entendendo assim a importância de nosso trabalho para a aplicação da justiça, e informação dos populares de nossa cidade.

Mais uma vez ressaltamos que reconhecemos o erro por não termos buscado junto ao Ministério Público suas considerações sobre o fato. Como sempre nos colocamos inteiramente a disposição para que quaisquer partes envolvidas, em qualquer conteúdo publicado nas reportagens produzidas por este Popular tenham direito de se posicionar e prestar as devidas considerações em qualquer tempo.

Mais lidas