Conecte-se conosco

Direito do consumidor

Copasa vai ter que pagar os impostos em Nova Serrana

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Vereadores aprovam projeto que revoga isenção tributária para a Copasa, que segundo entendimento deveria estar pagando os impostos ao município desde outubro de 2010

Desde 2010 a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) vem lucrando no município de Nova Serrana com a isenção tributária, mas essa realidade vai mudar, isso porque foi aprovado Projeto de Lei 115/2018, de autoria do Legislativo Municipal, que dispõe sobre a revogação da lei nº 2.060, de 24 de maio de 2010 que concede isenção de tributos à Copasa por ocasião da outorga dos serviços públicos de abastecimento de água.

A pauta que foi aprovada pelos vereadores na última quinta-feira, dia 29 de novembro, por unanimidade, estabelece que a cobrança pelos serviços públicos de água e esgoto deverá manter as regras de desoneração do custo da tarifa de serviços, viabilizando uma tarifação de cunho social, nos moldes estabelecidos pela ARSAE – Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais.

No texto do projeto a revogação da isenção é justificada pelo fato de que a Tarifa Social é concedida pela Copasa desde 1994, com o objetivo de facilitar o acesso da população de baixa renda ao saneamento básico. Contudo, o texto chama atenção ao fato de que sob o argumento de promover tal desoneração, a Copasa obteve do Município de Nova Serrana a isenção total de todos os tributos municipais que incidissem sobre os serviços prestados, inclusive serviços como do pagamento de royalties, durante o prazo de 30 anos.

 Visão dos vereadores

Após desenvolvimento do trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Copasa, os vereadores entenderam que a Tarifa Social aplicada à população mais carente de Nova Serrana já ocorre através de resoluções da ARSAE-MG.

Pela agência reguladora, a regra para a aplicação da Tarifa Social é o rateio entre as economias faturadas de maior consumo. Se levar em consideração que, em 2017, a Copasa teve receita bruta de R$ 29,8 milhões no município de Nova Serrana, apenas em termos de ISS (Imposto sobre Serviço), na alíquota de 2%, Nova Serrana renunciou em favor da empresa R$ 596.482,64. Um valor superior em 12,6% ao que é oferecido por meio de descontos da tarifa social, que conforme dados apurados foi de R$ 529.689,79 no ano passado.

 Contrato questionado

Outro fator que chamou a atenção foi os prazos aplicados para que os benefícios de isenção fiscal fossem viabilizados em Nova Serrana.

Segundo o vereador Adais da Impacto (Avante) já foi constatado que a lei teria validade no atual contrato da empresa para com o município, isso porque ele foi assinado meses depois da validação da lei. “Acontece que o próprio projeto que viabilizou a isenção em si, quando foi votado foi bem claro, foi aprovado em maio de 2010 e a isenção foi até o fim do contrato. Como aconteceu a renovação em outubro, ali findou-se um contrato e iniciou o outro, a lei não estabelece renovação tácita eu acredito. Sendo assim está determinado que desde outubro de 2010 a empresa vem recebendo isenção tributária indevida”, disse o vereador.

Por sua vez o vereador Willian Barcelos (PTB) que foi autor do texto do projeto de revogação, que foi posteriormente assinado por todos os legisladores, e ainda é o relator da CPI da Copasa, considera a importância da ação por parte do legislativo municipal.

O vereador também pontuou que após a sanção do prefeito uma batalha será instaurada na justiça, mas ainda assim existe a certeza de que o trabalho do legislativo foi cumprido. “Estamos diante de uma celeuma que será travada no judiciário. Vamos travar uma luta, mas nosso papel aqui é fazer o que talvez seria muito difícil o executivo fazer. O legislativo tem o ponto de vista de preservar o benefício do povo, essa mesma norma já foi aprovada em Carmo do Rio Claro, Guaxupé e Brumadinho. Revogar nós podemos e essa ação vai travar a discussão se eles vão manter o direto adquirido, mas isso não somos nós que vamos fazer é na instância judiciária. Quando pegamos a determinação de um relatório e criamos a norma com os membros da casa e aprova em plenário estamos fazendo o que no futebol é praticamente impossível, que é bater o escanteio e cabecear para o gol”. Disse Barcelos.

O vereador também pontuou que os membros da CPI de Paracatu questionaram sobre a isenção de tributos e por sua vez a empresa respondeu em nota que a isenção coopera diretamente para a “desoneração da fatura dos clientes atendidos em todo o Minas Gerais”.

Diante da consideração Barcelos ponderou que “quem faz a graça faz o outro rir, é rateio, é o pobre pagando pelo rico. Agora nossa cidade pagar por outros contribuintes de outros municípios que não isentaram a Copasa é algo que devemos questionar. É totalmente válido aprovarmos a norma e assumir a partir daqui uma verdadeira guerra seja no campo de obrigar a Copasa a fazer o que é de direito ou no campo judiciário. O que não pode acontecer é aceitarmos como diz o vereador Juliano da Boa Vista (PSL), “que a Copasa sambe em nossa cara”. Ponderou Willian.

Mesmo com a perspectiva de que será travado um embate judicial, os vereadores se sentiram seguros para aprovar o projeto, amparados no parecer do jurídico da Câmara, que em análise juntou ao processo sua visão favorável a legalidade da pauta.

 Investimentos

Outro fator exposto na reunião durante o debate sobre a aprovação da pauta foi referente aos investimentos da empresa e do executivo no município e os interesses da estatal quanto ao lucro obtido na cidade.

Conforme pontuou o vereador Gilmar da Farmácia o lucro da empresa está à frente dos interesses sócias. “A Copasa é 49% é privada e 51% pública, é uma empresa mista. O que detém o bolo financeiro é a parte privada, ela que detém maior parte do capital e eles determinam o que a empresa deve fazer. Os interesses são conflitantes e sendo assim sempre o interesse econômico prevalece sobre o público, muitas vezes ela deixa de atender a população por interesse financeiro”. Disse o vereador

Gilmar ainda disse ser injusto que uma empresa com o capital e lucro da Copasa tenha isenção tributária. “É justo uma empresa com a arrecadação da Copasa deixar de pagar impostos sendo que empresas menores tem que arcar com tributos? Esse dinheiro faz falta para a cidade, espero que o prefeito siga nosso raciocínio e sancione a lei que está sendo aprovada nesta casa”. Considerou Gilmar da Farmácia.

Seguindo no raciocínio o vereador Willian Barcelos expos que os investimentos da empresa e do executivo quanto a saneamento básico vem sendo consideravelmente menores no decorrer dos anos. “Em 2013 o prefeito Joel Martins tendo que cumprir o orçamento aprovado por Paulo Cesar investiu R$ 2,6 milhões em saneamento básico. No ano seguinte em 2012 o investimento teve queda considerável, já em 2015 foi investido R$ 98 mil, em 2016  foi R$ 117 mil, já na atual gestão em 2017 não teve investimento”. Afirmou o vereador

Barcelos ainda afirmou que falta investimento nesta área porque como diziam os antigos: esgoto não dá votos. “Em 2016 o investimento municipal pela arrecadação foi 0,08%, por isso que falta saneamento. A média nacional de investimentos do executivo é de R$ 54,00 por habitante, Nova Serrana investe apenas R$1,10 . O Ministro da Saúde disse que a cada R$ 1,00 investido em saneamento se economiza R$ 9,00  na saúde. Acredito que a casa esta se preocupando com algo que dificilmente se preocupa em outros lugares, afinal como dizem os mais velhos, o saneamento não da voto”, finalizou o vereador.

 Aprovação e CPI

A aprovação do projeto é uma das partes que está sendo antecipada quanto as conclusões relativas a CPI da Copasa. A medida de aprovação do projeto que revoga a isenção tributária da estatal se deu anteriormente a aprovação do relatório da CPI, devido ao prazo para que a norma seja colocada em prática já a partir de 2019.

Nos próximos dias o relatório da CPI da Copasa deve ser apreciado e votado em plenário, o que pode ser feito em reunião ordinária ou extraordinária, tendo em vista que restam apenas duas reuniões ordinárias em 2018, sendo a última dia 11 de dezembro destinada para a eleição da mesa diretora que estará a frente do legislativo no próximo ano.

Ainda segundo apurado após aprovado o relatório da CPI da Copasa deverá estar disponível para consulta popular junto ao site do Legislativo Municipal.

Leia mais...
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Mais lidas