Conecte-se conosco

Editorial

Caminhão desgovernado desce ponte abaixo

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Realmente Euzebio Lago poderá dizer que viveu situações que nenhum outro gestor vivenciou à frente da cidade. Para que todas as emoções ficaram guardadas para o gestor que tem como desafio superar a desconfiança ou descontentamento de 2/3 da cidade.

Em todos os anos de governo nunca se viu, ou não se retratou de um estado tão debilitado, uma crise política nacional tão iminente e como claro, uma economia debilitada coloca em risco até mesmo os setores industriais mais básicos como o alimentício, do vestuário em Divinópolis e também claro o calçadista.

O atual prefeito está se deparando com uma economia municipal à beira da ruina, onde os moradores da cidade, empresários ou não, deixam de pagar seus tributos e isso pelos mais variados motivos e como consequência a arrecadação da cidade que sempre se gabou de ser extremamente rica, desliza morro abaixo e fica dependurada no buraco como o caminhão da prefeitura na obra ainda inacabada.

Por falar em buraco, só nesta gestão por duas vezes um caminhão do executivo se afundou em um buraco na cidade. No primeiro a rua simplesmente abriu e o veículo se enfiou em uma situação que seria cômica se não fosse trágica.

Já o segundo deslizou, e mesmo que com os freios travados a força da gravidade foi maior, e graças a Deus, o incidente não foi maior, contudo, fazendo a analogia a atual gestão, deve se tomar cuidado porque o caminhão da administração pode não dar a sorte de ficar dependurado, mas não derrubado.

A crise, por exemplo, fez com que o executivo implementasse um choque de gestão. A prometida reforma tributária aparentemente ainda não foi enviada a Câmara, mas o buraco financeiro no qual a prefeitura se meteu causou o atraso de contas que tinham dotação orçamentária direcionada.

Dai partes ativas sociais que recebiam incentivos, como os estudantes, tiveram seu esperado e importante aporte atrasado. R$ 120,00 por cada universitário que estuda fora da cidade. São apenas R$ 1.200,00 por aluno anualmente. Mas esse valor causará um estrago nas finanças de populares que tem uma despesa anual de aproximadamente R$ 3.300,00 e que literalmente trocam o café pela janta para realizarem o sonho de concluir um curso superior.

Estes representam uma parcela popular que pode sim ampliar o buraco no qual o caminhão da prefeitura está lentamente deslizando.

Festa do Reinado, equipes e projetos esportivos, parceiros políticos, servidores comissionados, hospitais, promessas políticas, segurança pública e apoio a órgãos básicos.

Esses são apenas alguns dos setores em que a crise trouxe ou trará problemas, e sinceramente a responsabilidade, ou melhor, a culpa do Estado não será o suficiente para tapar o buraco, ou melhor, rebocar o caminhão se o andor continuar dessa forma.

Muitas ações têm sido tomadas, mas tudo que é feito parece não ser o suficiente para criar um alento para a cidade que esperou o Novo Tempo, e não por culpa total da gestão, viu esse tempo se tornar de seca e escassez.

O choque de gestão deveria ter acontecido a mais de um ano atrás, o enxugamento da maquina pública deveria ter sido uma das senão a primeira medida e a comunicação, o esclarecimento deveria ter sido tratado com maior zelo desde os primeiros dias.

Agora se chama vereador que defende a classe dos estudantes, se explica a situação, apresenta números, torna pública a dificuldade e dai comete o erro de criar expectativa amparada no Estado.

Se o transporte for pago na próxima terça-feira, fez a obrigação (já que esse termo foi tão bem usado pelo prefeito durante o pleito eleitoral de 2016), se não o faz, se cria mais um problema e novamente o erro de estratégia se torna evidente.

Sabemos que um cara comprometido, senta diariamente na cadeira do chefe do executivo e da o seu melhor a frente da cidade. Contudo a impressão que se dá é que o barco esta a deriva, ou melhor, o caminhão chamado prefeitura está descontrolado prestes a cair pela ponte Lelis Camilo e o erro de perícia (dos secretários em sua maioria), está tornando esse incidente cada vez mais inevitável.

Leia mais...
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Mais lidas