Conecte-se conosco

Administração

Vereador questiona Hospital Dia e os R$ 300 mil de aluguel investidos sem nenhuma consulta realizada

Avatar

Publicados

em

Unidade que teve contrato assinado em abril de 2018 iria ser inaugurada em 45 dias, desde então prefeitura tem pago aluguel do imóvel sem que hospital tenha sido inaugurado

Em plane crise vivenciada em todo o estado acarretando um impacto e dificuldades significativas ao executivo municipal no cumprimento de seus compromissos financeiros, uma denúncia feita por um vereador de Nova Serrana afirma que a prefeitura esta desperdiçando dinheiro público.

A denúncia em questão partiu do vereador William Barcelos (PTB) que na última semana, divulgou um vídeo nas redes sociais afirmando que o executivo está pagando o aluguel de um imóvel que não está sendo totalmente utilizado pelo município.

O espaço apontado pelo vereador é o antigo galpão da Z Componentes, que atualmente está sendo usado como sede da Secretaria Municipal de Saúde, seria até então ocupado pelo Hospital Dia que atua como complemento ao SUS e oferece triagens, consultas, tratamento e controle (acompanhamento e prevenção), com um custo reduzido para a Secretaria de Saúde.

Contudo até o momento a unidade de saúde que foi anunciada para ter sua inauguração em 45 dias, quase um ano depois da assinatura do contrato não atendeu sequer um cidadão.

O empreendimento não foi inaugurado e o atendimento a população não foi iniciado, o que para o vereador caracteriza a perda de recursos uma vez que o espaço não está sendo utilizado para as atividades fins.

 Hospital Dia

O Hospital Dia é um serviço criado em São Paulo, que além de ajudar a reduzir as filas de espera para o atendimento médico, a unidade realiza procedimentos, consultas e exames de apoio, diagnóstico e terapêutico na modalidade Gestão da Patologia. Ao todo, serão oferecidas 11 especialidades médicas.

A assinatura do contrato e parceria aconteceu no dia 27 de Abril de 2018 e contou com a presença do médico e presidente do Centro de Educação e Integração em Saúde (Cies), Roberto Kikawa, da secretária de saúde Glaucia Sbampato além do Prefeito Euzébio Lago, além de vereadores e a imprensa que divulgou amplamente a vinda do “Dia” para cidade.

 Desperdício de recursos

De acordo com Willian Barcelos, a prefeitura paga mensalmente um valor equivalente há 33 mil reais por mês, o que para o vereador é uma demonstração de como a administração municipal trata os recursos que deveriam ser empregados em prol da comunidade. “O contrato foi assinado em abril de 2018, quando o prefeito anunciou que o Hospital estaria em funcionamento em 45 dias. De lá para cá, os pagamentos de aluguéis já consumiram quase 300 mil reais. E esse não é o principal problema, pois como havia a expectativa da implantação dessa unidade de saúde, acrescida ao fato que a nossa saúde tornou-se plena, isto é, com gestão municipal direta, inclusive dos recursos, a fila de procedimentos ficou praticamente paralisada. Uma situação de difícil reversão”, disse o vereador.

Barcelos ainda ressalta que as despesas vão além do aluguel do imóvel e que recursos significativos foram gastos para uma unidade que nem se sabe se virá atender a população. “O que sabemos é que eles permanecem fechados desde a reforma do prédio. Inclusive, é preciso considerar que a referida reforma, sabe-se lá a que preço, também entrou na conta da população. Sem que nenhum procedimento fosse feito. Penso que se esse valor fosse investido na contratação de consultas e procedimentos eletivos aqui na região, a fila de espera estaria bem menor. Faltaram planejamento e racionalidade na gestão dos recursos da saúde”. Criticou Barcelos.

O vereador ainda considerou que “Esse fato do Hospital Dia é o exemplo da estratégia do executivo, que consiste em dar explicações de tempos em tempos, via mídias sociais e imprensa, com o objetivo de postergar a execução de ações e obras públicas. Não somente eu, mas diversos vereadores vêm cobrando em plenário e através de entrevistas, a implantação do Hospital Dia”, considerou Barcelos

Willian ainda expôs que o executivo tem apresentado diversas explicações e que a população tem sido vítima da situação. “Assim como as diversas justificativas da Prefeitura, que num primeiro momento disse que o atraso se devia à greve dos caminhoneiros, depois aos efeitos da crise financeira decorrente da greve, e finalmente, pela morte trágica do fundador do Hospital Dia. Agora já sabemos que a desculpa vai ser o atraso nos repasses pelo governo do Estado. Enfim, a população está no prejuízo, e mesmo assim, as desculpas continuam a ser apresentadas como se a maior vítima fosse a administração municipal”

O vereador finalizou indicando que “na próxima semana, com o retorno das atividades de plenário e das comissões permanentes da Câmara, o trabalho de fiscalização será intensificado. É importante destacar o papel importantíssimo da sociedade nesse momento. Muitas das denúncias são recebidas pelas redes sociais, por telefone ou pessoalmente, através de nossos gabinetes. Preservamos o sigilo da fonte. Por isso, convocamos cada cidadão para se tornar um olho da sociedade. É a única forma de colocarmos nosso município, estado e nação nos trilhos”. Indicou o vereador.

 Posicionamento do executivo

Segundo entrevista dada pelo chefe do executivo em uma emissora de rádio, a situação do Hospital Dia será conclusa e repassada à população ainda nesta semana.

De acordo com informações levantadas, parte da dificuldade da instalação do Hospital Dia em Nova Serrana foi ampliada com a morte do médico fundador do programa, isso porque investidores retiraram seu patrocínio ao programa o que levou os diretores a interromperem os projetos fora do estado de São Paulo.

Em contato com a secretária Municipal de Saúde, Glaucia Sbampato, nossa equipe foi informada que já foi pedido uma posição oficial quanto as atividades da unidade em Nova Serrana para os representantes do Hospital Dia e assim que o executivo receber a resposta oficial será repassado a toda imprensa a decisão as medidas a serem tomadas por parte do executivo quanto a instalação da unidade no município.

Mais lidas