Conecte-se conosco

Minas

Primeiro bebê nascido no Cecovid-4 recebe alta

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, um caso de superação emocionou os profissionais do  Cecovid-4. Após 15 dias de internação  o primeiro bebê nascido na maternidade da unidade, recebeu alta e foi para casa,


O bebê e a mãe são moradores da cidade de Mateus Leme, com 36 semanas de gestação, a empresária Soraya Marques Caldeira, 37 anos, começou a se sentir mal e foi para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade.

Ao chegar na unidade, foi constatado que a gestante ela estava sofrendo uma síndrome respiratória grave. Devido a complexidade do caso e suspeita de estar infectada com o coronavírus, Soraya foi encaminhada para o Cecovid-4.

A gestante ficou 10 dias internada em observação e, apesar dos testes para Covid-19 terem dado negativo, acabou entrando em trabalho de parto prematuro, devido à pressão alta em decorrência de uma diabete gestacional.

Depois de um dia inteiro sofrendo com fortes contrações, o pequeno Pedro Crescêncio nasceu pesando 4kg. Porém, devido à queda de glicêmia, ele ficou internado por 15 dias na maternidade da unidade.

“Foi um parto muito difícil. Ele ficou atravessado, precisou de intervenção. Nasceu muito roxinho e com o cordão enrolado no pescoço. Senti muito medo quando fui para a casa sem ele”, recordou.

Depois de dias intermináveis de muito cuidado da equipe médica e de também ter tido o resultado negativo para a Covid-19, Pedro pode ir para a casa encontrar os outros cinco irmãos e o pai.

“Só posso agradecer a toda equipe. Eles cuidaram muito bem tanto de mim, quanto do meu filho. A sensação é de muito alívio, porque uma coisa é você imaginar como é dentro de uma ala de pessoas com coronavírus, outra é você vivenciar isso de perto. Ficar longe da família, sem poder ter contato físico e ainda ver a mobilização das equipes e o sofrimento diário de quem está internado lá é muito triste”, contou.

Fonte: Com informações O Tempo

Foto: Arquivo pessoal

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas