Conecte-se conosco

Meio ambiente

Polícia Civil vai investigar caso de pombos tingidos em cidade mineira

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

O aparecimento de pombos tingidos em cores como vermelho, azul e verde causou surpresa e revolta entre os moradores de Leopoldina.

O caso ganhou repercussão nesta semana após postagens das redes sociais e denúncia da ativista animal Luísa Mell. Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para investigar o possível crime ambiental.


A Prefeitura informou que tomou conhecimento do fato na última quarta-feira, de 19 janeiro, através das redes sociais.

A Administração Municipal explicou que, por isso, não sabe precisar quando o ato criminoso ocorreu e nem quem são os responsáveis.

Pombo foi tingido de vermelho em Leopoldina — Foto: Prefeitura de Leopoldina/Facebook/Reprodução

Pombo foi tingido de vermelho em Leopoldina — Foto: Prefeitura de Leopoldina/Facebook/Reprodução

Também na última quarta-feira, a Polícia Militar do Meio Ambiente (PMMA) recebeu a denúncia feita pela Prefeitura.

Segundo o Sargento Maciel, alguns moradores informaram que viram os pombos coloridos em novembro de 2020, na Rua Manoel Lobato.

Luísa Mell publicou imagens de pombos tingidos em Leopoldina — Foto: Instagram/Reprodução

Luísa Mell publicou imagens de pombos tingidos em Leopoldina — Foto: Instagram/Reprodução

A polícia foi até o local nesta semana, mas não encontrou nenhuma anormalidade. Além do flagrante em novembro, a PM informou que há relatos nas redes sociais de avistamento das aves tingidas na última segunda-feira (18).

O sargento reforçou que o caso pode ser enquadrado como maus-tratos a animais. “Aparenta que as aves foram tingidas, fato que pode acarretar intoxicação, sofrimento, ou até mesmo maior exposição ao ataque de predadores em virtude das cores vibrantes”, explicou o policial.

‘É vergonha a maneira como os animais são tratados’

Luísa Mell denuncia pombos tingidos em Leopoldina — Foto: Instagram/Reprodução

Luísa Mell denuncia pombos tingidos em Leopoldina — Foto: Instagram/Reprodução

Pelo Instagram, a ativista pelos direitos dos animais Luísa Mell, que tem mais de 3,6 milhões de seguidores, manifestou repúdio as imagens dos pombas tingidos em Leopoldina.

“Recebi várias denúncias de que estão pintando os pombos em MG. Dizem que é para chá de bebê… o q só aumenta meu nojo, revolta, indignação! É vergonhosa a maneira como os animais são tratados, simplesmente para atender alguma palhaçada fútil e inútil de seres humanos. A maioria das tintas são extremamente tóxicas, provocando uma série de problemas de saúde nos animais. Alô ibama. Alô icmbio. O crime está acontecendo em MG. Quem tiver informações sobre os responsáveis, deixe nos comentários! Ano novo eu resolvi tentar ficar mais calma, n brigar… mas gente! Pqp! Quem é que fica calma diante de tantas atrocidades?”, afirmou Luísa na publicação, que teve mais de 150 mil curtidas.

Uma das hipóteses levantadas pelos internautas e pela ativista que as aves teriam sido pintadas para a realização de um chá de bebê. Entretanto, a Polícia Militar do Meio Ambiente e a Polícia Civil informaram que ainda não há indícios de autoria e nem qual seria a finalidade de tingir os pombos.

O inquérito foi aberto pelo delegado Rafael Sporck na quarta-feira (20) para apurar os fatos. Em nota, a Prefeitura de Leopoldina explicou que colabora em tudo que for necessário para identificar os responsáveis.

“Vale ressaltar que a Administração não compactua com atitudes que venham colocar em risco a vida de animais ou prejudicar o meio ambiente. O Executivo municipal também lamenta que este ato tenha ocorrido na cidade, que é um lugar de pessoas ordeiras e de bem. Por fim, frisa que tal ato criminoso não representa ou retrata o perfil dos leopoldinenses”, pontuou a Administração Municipal.

Fonte: Por Amanda Andrade e Giordanna Neves, G1 Zona da Mata

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas