Conecte-se conosco

Brasil

Pesquisa do Sebrae mostra os efeitos da crise provocada pela pandemia nos empreendimentos de pequeno porte em 2021

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Pesquisa do Sebrae em parceria com a FGV mostra ainda os efeitos da crise provocada pela pandemia nos empreendimentos de pequeno porte, nos primeiros meses de 2021


Aumentou o índice de pequenos negócios mineiros que conseguiram empréstimos bancários até o início deste ano em relação ao final de 2020.

De acordo com a 10ª edição da pesquisa “Impactos do coronavírus nos pequenos negócios”, feita pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), dos 42% entrevistados que buscaram ajuda financeira, quase a metade (42%) conseguiram o recurso.

O estudo, realizado com 497 mineiros, entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março, faz ainda uma análise dos efeitos causados pela pandemia que atingiram em cheio os pequenos negócios do estado.

O crédito ainda é um ponto de fragilidade e ao mesmo tempo de esperança para os donos de pequenos negócios mineiros.

Questionados sobre qual seria a medida governamental mais importante que poderia compensar os efeitos da crise no empreendimento, 42% dos entrevistados do estado responderam que seria a extensão das linhas de créditos com condições especiais, como por exemplo, o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), iniciativa do Governo Federal destinado ao desenvolvimento e o fortalecimento dos pequenos negócios.

Em 2020, o Pronampe concedeu mais de R$ 37,5 bilhões em empréstimos, abrangendo cerca de 517 mil empreendedores brasileiros. Neste cenário de crise econômica e sanitária que vivemos, medidas governamentais e políticas públicas, que facilitam o acesso ao crédito e dão um tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas, são essenciais. Temos que lembrar que esses empreendimentos correspondem a mais de 99% das empresas e são responsáveis por quase 60% da geração de empregos no estado, sendo sinônimo de sustentação, transformação e desenvolvimento da economia”, justifica o Superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha.

Apesar de ter reduzido o percentual de empresários mineiros que buscaram crédito, de 48% dos entrevistados, em novembro de 2020, para 42%, no início de março deste ano, a última pesquisa revelou que houve aumento de 8% no índice de donos de negócios que conseguiram o recurso financeiro, passando de 34% dos entrevistados (em nov/2020) para 42% dos donos de negócios no estado (em mar/2021).

Em outro dado, notamos que houve um aumento de 4% dos entrevistados que afirmaram não terem dívidas ou empréstimos a serem pagos. Isso mostra que os donos de pequenos negócios mineiros estão mais cautelosos diante o momento de instabilidade econômica provocada pela pandemia”, explica o Superintende do Sebrae Minas.

Primeiros meses

Mas, 2021 não começou bem para os pequenos negócios mineiros. A queda no faturamento foi notada por 79% dos entrevistados, 5% a mais que o percentual de entrevistados que sentiram o mesmo impacto nos rendimentos, se compararmos a última pesquisa realizada em novembro do ano passado. A consequência foi imediata, 11% dos entrevistados tiveram que demitir nos últimos 30 dias, aumento de três pontos percentuais dos que afirmaram ter tomado essa decisão no final de 2020.

Um dos motivos para essa piora pode ser atribuído a intensidade da segunda onda do Covid-19, já que vários municípios do estado tiveram que reduzir parcialmente ou totalmente a circulação de pessoas nas ruas, provocando o fechamento temporário ou com mudanças no funcionamento do negócio. Também temos que lembrar que não houve o Carnaval, período em que muitos empreendedores conseguem ganhar um extra, aumentando o faturamento”, afirma Afonso Maria Rocha.

Fechamento do ano

Assim como esperado, os reflexos negativos da pandemia na economia foram inevitáveis em 2020. Para a maioria dos mineiros (68%), nem mesmo as datas comemorativas como a Black Friday, réveillon e até mesmo o Natal, período mais importante para o comércio, conseguiram reverter o quatro de perdas, principalmente, em relação à queda nas vendas de final de ano, que foram piores que 2019 para 66% dos entrevistados.

Sobre as expectativas de quanto tempo vai demorar para que a situação da economia do país volte ao normal, os donos de negócios mineiros são ainda mais cautelosos e acreditam em uma possível recuperação apenas no segundo semestre de 2022.

Pesquisa Impacto do Coronavírus nos pequenos negócios – Minas Gerais

10ª ed (fev/21)

9ª ed (nov/20)

Como está a restrição de circulação de pessoas no seu município nesse momento?

34%

15%

Lockdown (fechamento total)

5%

1%

Em processo de reabertura/aberto

54%

78%

Não teve restrição

7%

7%

A sua empresa está funcionando neste momento?

Estamos funcionando da mesma forma que antes da crise

17%

18%

Estamos funcionando com mudanças por causa da crise

63%

66%

Estamos com o funcionamento interrompido temporariamente

16%

12%

Decidimos fechar a empresa de vez

4%

4%

Como o seu negócio está sendo afetado pela crise do coronavírus em termos de faturamento mensal, em relação a um mês normal?

Aumentou

10%

11%

Diminuiu

79%

74%

Permaneceu igual

9%

12%

Não sabe ainda / não quis responder

2%

3%

Qual foi a variação percentual do volume de vendas dessa última semana em relação a uma semana normal?

Diminiu

-50,3%

-51%

Aumentou

39%

39%

Variação média faturamento semana

-37%

-39%

Você vende utilizando redes sociais, aplicativos ou internet (por exemplo, Whatsapp, Facebook, Instagram, etc.)?

Sim

68%

71%

Não

32%

29%

Nos últimos 30 dias você teve que DEMITIR funcionários de carteira assinada (CLT) por causa da crise do coronavírus?

Sim

11%

8%

Não

33%

48%

Não tem funcionários

56%

43%

Quantos funcionários de carteira assinada (CLT) você demitiu nos últimos 30 dias?

2 funcionários

2 funcionários

Nos últimos 30 dias sua empresa CONTRATOU algum funcionário de carteira assinada (CLT)?

Sim

12%

11%

Não

88%

89%

Quantos funcionários de carteira assinada (CLT) você contratou nos últimos 30 dias?

2 funcionários

2 funcionários

Como estão as dívidas/empréstimos da sua empresa no momento?

Temos dívidas/empréstimos e estamos em dia

31%

35%

Temos dívidas/empréstimos e estamos em atraso

31%

31%

Não temos dívidas/empréstimos

38%

34%

Desde o começo da crise, você já buscou empréstimo bancário para a sua empresa?

Sim

42%

48%

Não

58%

52%

E o que aconteceu com o seu pedido de empréstimo?

Consegui o empréstimo

42%

34%

Estou aguardando uma resposta

7%

10%

Não consegui o empréstimo

51%

56%

Qual das seguintes frases representam melhor a situação que você vive agora?

Os desafios provocaram mudanças que foram valiosas para o meu negócio

27%

26%

Animado com as novas oportunidades

12%

12%

Ainda tenho muitas dificuldades para manter meu negócio

53%

50%

O pior já passou

8%

12%

Como foram as vendas de fim de ano de 2020?

Melhores que 2019

20%

Piores que 2019

66%

Iguais que 2019

14%

Em qual das festas de fim de ano sua empresa faturou mais?

Black Friday

5%

Natal

23%

Réveillon

4%

Essas datas não impactaram meu negócio

68%

Como foram as suas vendas no carnaval de 2021?

Melhores que 2020

8%

Piores que 2020

74%

Iguais que 2020

18%

Quanto meses o(a) Sr(a). acha que vai demorar para a situação da economia voltar ao normal?

1 ano e 7 meses

Em 2020 como ficou faturamento da sua empresa?

Melhor que em 2019

19%

Igual a 2019

9%

Pior que em 2019

65%

Não sabe ainda/não quis responder

7%

Em 2021, qual seria a medida governamental mais importante, que o governo poderia fazer para compensar os efeitos da crise no seu negócio?

Moratória (adiamento) do pagamento de dívidas (empréstimos, aluguel, água, luz, etc.)

12%

Extensão do Auxilio Emergencial

31%

Adiamento dos pagamentos dos impostos

9%

Extensão das linhas de créditos com condições especiais (p.ex: Pronampe)

42%

Auxilio para redução e suspensão de contratos de trabalho

6%

FONTE: SEBRAE

Mais lidas