Conecte-se conosco

Cidade

PCMG esclarece morte de interno dentro de unidade socioeducativa

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) concluiu, nessa quinta-feira,  08 de abril, o procedimento investigativo acerca da morte de um adolescente, de 16 anos, no interior de um centro socioeducativo em Divinópolis, região Centro-Oeste do estado.


Segundo informado, a vítima foi morta por enforcamento, dentro de um alojamento. Os suspeitos, também internos, responderão por ato infracional análogo ao crime de homicídio.

Os fatos ocorreram em 4 de março deste ano e as apurações começaram imediatamente, quando a PCMG em Divinópolis foi acionada pela unidade.

De acordo com os relatos, durante a madrugada, os agentes socioeducativos receberam a informação de um dos internos de que a vítima havia praticado suicídio no interior de uma das repartições. A equipe se direcionou até o local e avistaram o adolescente enforcado por um lençol, estando amarrado em uma grade.

De acordo com o delegado responsável pelo procedimento, Marcelo Nunes Júnior, no decorrer dos levantamentos apurou-se que, na verdade, a vítima não havia cometido autoextermínio, mas sim teria sido morta, com requintes de crueldade, por três dos cinco internos companheiros de alojamento.

“As investigações apontaram que os adolescentes forçaram a vítima a colocar um lençol em volta do pescoço, e, enquanto um segurava as mãos dela para não reagir, os outros dois a puxavam até ocorrer o óbito”, conta.

Ainda segundo o delegado, chamam a atenção os motivos e a forma de execução do ato infracional.

“Segundo apuração, que acabou culminando com a confissão dos adolescentes executores, eles tiraram a vida da vítima simplesmente por ela afirmar pertencer a uma facção criminosa rival à qual os suspeitos pertenciam. Além disso, eles ainda ameaçaram de morte os outros dois integrantes do alojamento para não relatarem a verdade”, revela Nunes.

Os três adolescentes, todos de 17 anos, responderão pelos atos praticados, conforme medidas estabelecidas no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), com punição prevista de até três anos de acautelamento.

 

Fonte: PCMG

Foto: Imagem Ilustrativa Web –  Jornal e Lavras

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas