Conecte-se conosco

Governo Estadual

Onda roxa: Minas Gerais terá barreiras, hotéis fechados e fiscalização da PM

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

O Governo de Minas, anunciou na noite da última segunda-feira, dia 15 de março, que a partir da próxima quarta (17), será adotado em todo o estado a onda roxa, que é o protocolo mais restritivo do programa Minas Consciente. Segundo informado na por Romeu Zema, inicialmente o protocolo terá a duração de 15 dias.


Em coletiva dada na manhã esta terça-feira (16), Romeu Zema abordou as medidas restritivas adotadas e conforme apontado pelo Coronel Rodrigo Sousa, comandante geral da Polícia Militar (PM) de Minas Gerais, a corporação vai intensificar suas ações de fiscalização.

De acordo com o comendante, a população mineira, que tem até o momento buscado as Guardas Municipais para denunciar os excessos de vizinhos e populares, agora será atendida pela PM.

“Vamos rever o 190 e nos ajustar para atender a população mineira e mais uma vez colocar a Polícia Militar pela vida. Estamos refazendo nossos protocolos, vamos ter blitze em todos os municípios, mesmo nos pequenos. Onde não tem guarda municipal, vamos estar sendo mais protagonistas e, onde há, vamos estar atuando junto”, disse o coronel.

O Comandante também lembrou na coletiva que a fiscalização será intensificada pelas novas medidas impostas na Onda Roxa.

“É simples e claro: já temos leis para isso, vamos atuar em apoio à fiscalização, mas resumindo a pessoa precisa obedecer e seguir, temos toda legislação prevista e vamos aplicá-la, conforme essa medida drástica…Chegamos no limite do limite: melhor conduzir uma pessoa por desobediência do que registrar depois que ela não foi atendida (em hospitais). Acabou… “A polícia vai ser firme”, afirmou o comandante da Polícia, ao lembrar dos crimes de desobediência e desacato.

Ainda na coletiva o secretário de Estado de Saúde, Dr. Fábio Bacheretti, explicou que haverá barreiras sanitárias entre os Estados e que o serviço de turismo está proibido, já que hotéis não podem funcionar na onda roxa (a exceção é para receber profissionais da saúde e para as próprias equipes). “Nessas barreiras sanitárias, vamos ver se as pessoas estão indo para os serviços essenciais e, se não, serão notificadas a retornar”, disse. No entanto, os serviços aéreo e rodoviário seguem sem mudança”. Ressaltou Bacheretti.

Fonte: Com informações O Tempo

Foto: imagem ilustrativa –  Gil Leonardi / Imprensa Minas

Mais lidas