Conecte-se conosco

Cidadania

Novembro Azul: com a idade chega o risco eminente; com a informação o mal pode ser combatido

Avatar

Publicados

em

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE, Nova Serrana tem aproximadamente seis mil homens com faixa etária acima de 45 anos, e dados da Secretaria Municipal de Saúde apontam que somente em 2019 65 homens foram diagnosticados com suspeição de Câncer de próstata no município.

Em Nova Serrana, segundo os dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, uma população de aproximadamente 6 mil homens se enquadram na faixa etária acima de 45 anos, e o mês de novembro, apesar de não ser do conhecimento da maioria destes homens, tem todos os seus 30 dias focados no cuidado com a saúde, justamente deste público.

Isso porque é promovido neste mês o Novembro Azul, período destinado para conscientização e enfrentamento ao Câncer de Próstata, que conforme informado é o segundo com maior cometimento entre os homens em nosso país.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa é que para cada ano do biênio 2018/2019, sejam diagnosticados cerca de 68.220 novos casos de câncer de próstata no Brasil.

Segundo informado, o câncer de próstata ocorre principalmente em homens mais velhos. Cerca de seis em cada 10 casos são diagnosticados em homens com mais de 65 anos, sendo raro antes dos 40 anos. A média de idade no momento do diagnóstico é de 66 anos.

O câncer de próstata é a segunda principal causa de morte por câncer em homens, seguido apenas pelo câncer de pulmão. A cada 41 homens, pelo menos um morrerá de câncer de próstata.

Nova Serrana

Os dados divulgados pelo INCA também podem ser aplicados em Nova Serrana. De acordo com informações repassadas pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do setor de Comunicação do executivo municipal, em 2019 65 homens foram diagnosticados com suspeitas de Câncer de próstata.

Baseado nos dados do IBGE, aproximadamente um em cada 100 homens com idade acima de 45 anos foram diagnosticados sobre suspeita de Câncer de Próstata no município.

Este tipo de câncer pode ser uma doença grave, mas a maioria dos homens diagnosticados precocemente ampliam suas chances de tratamento e vida após o diagnóstico da doença.

Ciente dessa realidade a Secretaria Municipal de Saúde, promove campanhas de conscientização e durante o mês de novembro realiza a intensificação do enfrentamento ao preconceito e a falta de informação quanto a doença em seu público alvo.

“Todas as unidades de saúde no mês de novembro estão com ações reforçadas de conscientização sobre o câncer de próstata através de palestras e rodas de conversa nas salas de espera. A estratégia é abordar a doença, suas causas, os sintomas, diagnóstico, tratamento e principalmente sobre a prevenção da doença, apresentando hábitos de vida saudável, bem como mudança de estilo de vida. Neste mês, também foi ampliado a oferta de consultas ambulatoriais na especialidade de urologia”. Ressaltou a Secretaria Municipal de Saúde.

Diagnóstico

Conforme informado em 2019, o número de pacientes encaminhados para avaliação com suspeita de câncer de próstata em Nova Serrana até o presente momento é de 65 homens.

Diante disso a secretaria ressalta quais são os procedimentos adotados após a suspeição da doença. “O médico que avalia o paciente relata em encaminhamento o diagnóstico ou a sua suspeita, solicitando a avaliação na oncologia. O encaminhado deverá ser entregue na Secretaria de Saúde de Nova Serrana, juntamente com a documentação necessária, sendo: encaminhamento/relatório médico, exames realizados previamente (tais como ultrassom, raio X, tomografia, biópsia), documentos pessoais, cartão SUS e comprovante de endereço. A referência do município de Nova Serrana para tratamento de câncer é a cidade de Divinópolis, por meio da Associação de Combate ao Câncer do Centro-Oeste de Minas – ACCCOM. Portanto, após recebermos a documentação completa, direcionamos para a Secretaria de Saúde de Divinópolis/Acccom, que fará o agendamento da avaliação para o início do tratamento, conforme a prioridade clínica de cada caso”. Informou.

Cabe ainda ressaltar que a responsabilidade com o tratamento não é exclusiva do município, e sim realizado de forma conjunta entre as três instâncias de governo, municipal, estadual e federal. “A política de Saúde para a promoção, prevenção, detecção precoce e tratamento é organizada de maneira a possibilitar o provimento contínuo de ações de atenção à saúde da população, mediante a articulação dos distintos pontos de atenção à saúde, sendo o tratamento de responsabilidade tripartite, ou seja, do Governo Federal, Estadual e Municipal”.

Quadro Nacional e internacional

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos, é o segundo tipo mais comum. A taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte. A maioria, porém, cresce de forma tão lenta (leva cerca de 15 anos para atingir 1 cm³ ) que não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem.

Os dados divulgados pelo INCA estimam ainda que cerca 15.391  homens morreram no Brasil em 2017, devido ao Câncer de Próstata ou por consequências dele.

Entenda mais sobre a doença

O que aumenta o risco:

  • A idade é um fator de risco importante, uma vez que tanto a incidência quanto a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos.
  • Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos, podendo refletir tanto fatores genéticos (hereditários) quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias.
  • Excesso de gordura corporal aumenta o risco de câncer de próstata avançado.
  • Exposições a aminas aromáticas (comuns nas indústrias química, mecânica e de transformação de alumínio) arsênio (usado como conservante de madeira e como agrotóxico), produtos de petróleo, motor de escape de veículo, hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), fuligem e dioxinas estão associadas ao câncer de próstata.

Sinais e Sintomas

  • Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite).
  • Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

Detecção precoce

  • A detecção precoce do câncer é uma estratégia para encontrar o tumor em fase inicial e, assim, possibilitar melhor chance de tratamento.
  • A detecção pode ser feita por meio da investigação, com exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos, de pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença (diagnóstico precoce), ou com o uso de exames periódicos em pessoas sem sinais ou sintomas (rastreamento), mas pertencentes a grupos com maior chance de ter a doença. No caso do câncer de próstata, esses exames são o toque retal e o exame de sangue para avaliar a dosagem do PSA (antígeno prostático específico).
  • O diagnóstico precoce desse tipo de câncer possibilita melhores resultados no tratamento e deve ser buscado com a investigação de sinais e sintomas como:
    • Dificuldade de urinar
    • Diminuição do jato de urina
    • Necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite
    • Sangue na urina
  • Na maior parte das vezes, esses sintomas não são causados por câncer, mas é importante que eles sejam investigados por um médico.

Tratamento

  • Para doença localizada (que só atingiu a próstata e não se espalhou para outros órgãos), cirurgia, radioterapia e até mesmo observação vigilante (em algumas situações especiais) podem ser oferecidos. Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Para doença metastática (quando o tumor já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento mais indicado é a terapia hormonal.
  • A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um.

 

Mais lidas