Conecte-se conosco

Sem categoria

Lazaro Camilo é condenado por divulgação de pesquisa irregular

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Candidato que estava inelegível no pleito de 2018 para deputado federal foi ainda multado em mais de R$ 53 mil por divulgação de pesquisa eleitoral irregular

Lazaro Camilo, candidato a deputado federal que teve sua candidatura indeferida perdeu mais uma batalha na justiça eleitoral, essa porém acarretará uma significativa despesa para o candidato.

Conforme divulgado por este Popular, após ter divulgado uma pesquisa eleitoral irregular em uma entrevista dada a rádio 96 FM, o Ministério Público representou uma denúncia contra o candidato por divulgação indevida de pesquisa eleitoral irregular.

Diante dos fatos a Juíza Auxiliar da Propaganda Eleitoral Cláudia Aparecida Coimbra Alves decidiu no dia 05 e outubro acatar a denúncia do MP contra Lazaro Camilo e condenou o candidato a arcar com uma multa eleitoral na ordem de R$ 53.205,00.

Em sua defesa no processo Lazaro alego que não nega ter concedido entrevista à Rádio 96 FM de Nova Serrana, no dia 18 de setembro. Contudo ressaltou que apenas transmitiu informações recebidas de terceiros, “sendo que não divulgou dados de pesquisa, tratando-se de simples referência genérica sem quaisquer elementos mínimos que demonstrem o mínimo rigor científico a caracterizar uma efetiva divulgação de pesquisa eleitoral”. Justificou Lazaro para justiça eleitoral.

Contudo a juíza responsável pela análise do caso entende que “na referida entrevista, o candidato afirma que, de acordo com pesquisa realizada, ele deteria quase 60% das intenções de voto no Município de Nova Serrana. Além disso, convida os ouvintes a terem acesso à referida pesquisa “nos bastidores”, além de se dirigir verbalmente àqueles que fazem parte “desses amontoados de votos supostos pela pesquisa”. Indicou a juíza na sentença

Analisando a denúncia a juíza afirmou que “constata-se portanto, que houve efetivamente divulgação de pesquisa não registrada, com a propagação de informações sobre vantagem do candidato, mencionando, inclusive, o número aproximado de votos com os quais já contaria no Município de Nova Serrana, conduta que se amolda à vedação legal contida no dispositivo legal supracitado, atraindo a incidência de multa”. Constatou a Juíza Eleitoral.

A decisão tomada pela Juíza Eleitoral foi baseada nos arts. 33, § 3º, da Lei nº 9.504/97 c/c §2º do artigo 105 da Lei 9504/97 e do artigo 17 da Resolução TSE nº 23.549/2017, nos termos da fundamentação supra.

É importante ainda ressaltar que segundo as informações recebidas por este Popular a decisão ainda pode ser revertida pois cabe recurso da parte do acusado.

 

Leia mais...
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Mais lidas