Conecte-se conosco

Saúde

Ir às ruas vai gerar contaminação em massa, diz ministro da Saúde

Israel Silveira

Publicados

em

“Se nos juntarmos, vamos fazer contaminação um dos outros”, afirmou o ministro; ele também orientou a população a seguir recomendações dos governadores estaduais
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez novos apelos nesta sexta-feira (3) para que os brasileiros continuem seguindo a restrição da circulação como forma de prevenir um colapso do sistema de saúde devido ao volume de infecções pela Covid-19, causada pelo novo coronavírus.

Ele respondeu às perguntas de jornalistas sobre manifestações convocadas para este domingo (5) por manifestantes que pedem para a população ir às ruas.

“O que é da minha responsabilidade é dizer: temos uma doença infecciosa, respiratória, viral, que transmite, que o vírus é competente. Se juntarmos, vamos fazer contaminação um dos outros. Alguns não terão absolutamente nada, nem saberão que têm a doença. Outros terão formas leves. Um número expressivo terá uma doença que vai levá-lo ao hospital, um número vai ao CTI, e um número vai a óbito, ponto”, enfatizou Mandetta.

Mandetta afirmou que a história natural da doença está sendo escrita pela sociedade e que não seguir as restrições de funcionamento pode acarretar o colapso do sistema de saúde. “As sociedades que conseguiram um código de funcionamento muito restrito conseguiram passar sem ter espiral alta”, afirmou, acrescentando a falta de vacinas, de remédios efetivos e da disponibilidade de testes no Brasil.

“Quando se faz o colapso (do sistema de saúde), a economia sofre muito mais do que quando se controla. Porque, quando se tem um colapso, não se tem outra alternativa do que uma quarentena horizontal, que nós ainda não experimentamos no Brasil”, concluiu.

O ministro da Saúde também orientou a população a seguir as recomendações dos governadores estaduais. “Nós recomendamos que as pessoas, todas elas, atendam às recomendações dos governadores dos seus Estados, que têm os melhores números e os melhores indicadores para propor medidas. Que cada um faça aquilo que a sua consciência (mandar) e aquilo que é uma situação que está aí”, afirmou.

“Como vai ser o comportamento dos brasileiros neste final de semana, eu não sou autoridade nacional para coibir nem estou aqui para ser o gestor das vontades das pessoas. Nós estamos numa sociedade democrática. Tem leis sobre isso. Como as pessoas vão se comportar?”, questionou.

“As pessoas, elas são donas do seu destino, individual e coletivamente. Se esse destino vai ser pautado por ‘vamos fazer um efeito manada, vamos todos à rua, fazer uma grande manifestação, vamos insuflar, vamos nos abraçar, vamos fazer um Carnaval fora de época…’. Eu sei que é duro lá para Campina Grande, para Caruaru. Como é que vai ser a quadrilha, como vai ser a Páscoa neste ano? Como vai ser o coelhinho da Páscoa? Não vai ser igual aos anos que passaram”, finalizou o ministro da Saúde.

  • Fonte: O Temo

Mais lidas