Conecte-se conosco

Colunistas

Fechando para balanço

Paulo Santos

Publicados

em

Olá leitor! Hoje falaremos sobre ‘Inventário fiscal’ e ‘Exercício social’. Em um período de várias festas e espírito de Natal, você, empresário, não pode se esquecer de realmente planejar o fechamento do ano em sua empresa. Alguns setores já fazem isso. Na última semana do mês de Dezembro, principalmente, é natural observarmos em vários estabelecimentos um cartaz com a mensagem: “Fechado para balanço”. Mas afinal, o que isso quer dizer?

De acordo com o Código Civil Brasileiro, concomitante com a Lei das Sociedades por Ações, todas as empresas devem possuir um ‘Exercício social’ com duração de um ano. Ou seja, é o tempo de serviço prestado ou atividade desenvolvida pelo empreendimento no período de 12 meses. Todas as empresas adotam o seu ‘Exercício social’ coincidindo com o ano civil para que o findar do ano civil seja também o findar do seu ‘Exercício social’. Na prática, o que isso significa? Significa que, com o fim do ‘Exercício social’, a empresa deve apurar os resultados daquele ano verificando se dará lucro ou prejuízo. Para a apuração desse resultado, é necessário que os estoques estejam informados de forma correta. Por isso o baixar das portas nos últimos dias do ano para que o estoque seja contado para conferência.

As empresas no Brasil, em sua grande maioria, são optantes por 3 tipos de tributação. São eles: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Em todos eles, é preciso apurar informações no findar do ano e informá-las aos órgãos de controle no início do ano seguinte. Esse trabalho é feito anualmente pelos contadores e seus escritórios de contabilidade, porém, é de suma importância o envolvimento do empresário para prestar as informações mais corretas possíveis ao Fisco, isto é, ao Estado.

Empresas maiores já possuem programas de controle de estoque, os chamados Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (ERP).  Nesses sistemas, os resultados são processados a todo o momento e de forma dinâmica. À medida que os produtos vão sendo fabricados e embarcados, o sistema já realiza toda a baixa e controle dos estoques. Quando a empresa atinge um determinado tamanho, esse controle se torna essencial e facilita também o fechamento dos resultados no final do ano. Porém, quando não é possível adquirir um sistema desses ou se julga que os saldos de estoque apresentados pelo sistema não são confiáveis, é necessário voltar à tecnologia antiga e efetuar a contagem manual.

Na contagem dos estoques e também na sua escrituração, é necessário que se individualize cada item de forma detalhada, de modo a não gerar dúvidas quanto aos saldos de cada item e também para que haja coerência com o que foi comprado, vendido e utilizado na produção ao longo de todo o ano.

E você, empresário, já preparou a contagem de seus estoques? Desse procedimento depende uma série de declarações que serão prestadas ao Fisco no ano de 2019. Informações inconsistentes ou erradas podem gerar multas e autuações por parte dos órgãos de controle. Acione o seu contador e obtenha mais detalhes a respeito desse importante relatório. Até a próxima! 

 

PAULO DOUGLAS SANTOS, é contador formado pela Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis de Divinópolis – FACED, com MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, Diretor Financeiro de empresa de Grande Porte na cidade de Divinópolis a mais de 5 anos, proprietário da Base Contábil, escritório de contabilidade e Perito judicial em ações Cíveis e Trabalhistas no Estado de Minas Gerais.

Continue Lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Copyright © 2018 Ineo Sistemas