Conecte-se conosco

Cultura

Em meio às chuvas e corona vírus prefeitura de BH se prepara para Carnaval

Avatar

Publicados

em

Durante 24 horas, em todos os dias do Carnaval de Belo Horizonte, agentes da Defesa Civil municipal estarão monitorando as condições climáticas na cidade e realizando as intervenções possíveis relacionadas a ocorrências de enchentes e alagamentos.

Com a possibilidade de chuva para todos os dias da folia, todos os blocos de rua vão receber orientações especiais e trajetos podem ser mudados poucas horas antes dos desfiles, e ainda um plano de contingência em relação ao coronavírus também foi criado.

Ainda assim, a Prefeitura de Belo Horizonte espera entre 4,5 e 5 milhões de pessoas na festa deste ano, seguindo a expectativa de 20% de aumento no público total. Ao todo, estão previstos, até o dia 1° de março, 520 desfiles de 453 blocos, sendo que 39 deles já aconteceram no último fim de semana.

“A gente já teve um primeiro fim de semana bem tranquilo. Existe uma preocupação com a chuva permanente porque a gente está na região Sudeste, onde geralmente chove. Especialmente este ano ainda tivemos uma reavaliação junto a Defesa Civil e ao Corpo de Bombeiros para que a gente pudesse ter a certeza e a garantia de um carnaval seguro. Estamos confiantes. Muito trabalho foi feito e muito trabalho vem sendo feito. O monitoramento com as chuvas é de 24 horas por dia até o final do Carnaval. Ele não para. Estamos seguros e, ao mesmo tempo, tomando todas as atitudes de prevenção necessárias para que o folião fique tranquilo. Nada é mais importante do que a gente manter o cidadão em segurança. Se para isso for necessário um cancelamento ou modificação, isso será feito, sim”, afirmou o presidente da Belotur, Gilberto Castro.

Embora os desastres registrados durante o período chuvoso tenham mobilizado uma parte da população em uma campanha para o cancelamento da festa em Belo Horizonte, fato que foi rebatido pelo prefeito Alexandre Kalil em coletiva de imprensa, os investimentos para a folia, de acordo com a Belotur, são quase que integralmente privados. Ao todo, o investimento previsto é de R$ 14,3 milhões, que pagarão a contratação de músicos, a subvenção dos blocos e das escolas de samba, e a estrutura dos palcos em todas as regionais, além de outros gastos. O valor será pago pela Skol Puro Malte, pelo iFood e pelo Iti, do Itaú Unibanco. Por parte da prefeitura, o orçamento previsto é na ampliação nas folhas de pagamento, uma vez que estão previstas contratações específicas para o período.

Ocupação

A expectativa da Belotur é de que pelo menos 80% da rede hoteleira esteja ocupada por visitantes, 10% a mais do que no ano passado.

Banheiros

Um dos pontos mais críticos na infraestrutura do Carnaval, a oferta de banheiros químicos, também foi ampliada neste ano. Serão ao todo 15 mil diárias, distribuídas em cerca de 100 pontos fixos de cabines. “O banheiro é sempre um desafio, estamos trazendo até de Uberlândia, porque a demanda é sempre maior do que a oferta”, afirmou Gilberto Castro.

Coronavírus

Em relação à incidência do coronavírus, uma vez que o Brasil tem casos suspeitos em investigação, a Prefeitura de Belo Horizonte criou um plano de contingência que pode ser ativado a qualquer momento durante o Carnaval.

Estão previstos a abertura de serviços e leitos específicos para atendimento de casos suspeitos da doença. Os profissionais de saúde na capital já foram orientados a identificar e notificar casos suspeitos, além de executar as medidas de vigilância epidemiológica, com isolamento de pacientes e busca ativa dos contatos. O setor turístico também foi orientado sobre as informações de turistas provenientes da China e consequentes manifestações dos sintomas. Hotéis e restaurantes também serão vistoriados pela vigilância sanitária.

“O nosso plano é extensivo a todas as infeções respiratórias. Isso significa lavar as mãos com frequência, a etiqueta respiratória, como não espirrar nas mãos e, sim, nas dobras do braço, usar álcool gel. E se for participar de atividades com grande concentração de pessoas em ambiente fechado, é conveniente o uso de máscaras”, afirmou o secretário Municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto.

Abuso de álcool

Para a Secretaria Municipal de Saúde, um dos pontos de maior preocupação e observação é a ingestão de álcool por jovens. No ano passado, 10% das intoxicações por bebidas aconteceram em menores de idade, o que mobilizou uma aplicação no trabalho de conscientização.

“Estamos contando com o trabalho de assistentes sociais que vão atuar junto com agentes de proteção, da vara da infância, no sentido de encaminhar essas pessoas aos seus municípios”, informou Jackson Machado Pinto.

Ao todo, serão distribuídos 1 milhão de preservativos para a população.

Também estão sendo montados três Postos Médicos Avançados, em locais estratégicos. Um deles vai funcionar 24 horas na praça da Estação. Os outros dois estarão abertos de 10h as 22h no Funcionários e no Santa Tereza. Ao todo, 289 profissionais irão trabalhar nesses locais. Todas as Unidades de Pronto-Atendimento (UPA) funcionarão normalmente 24 horas por dia. Na segunda-feira de Carnaval, todos os centros de saúde também estarão em funcionamento.

Importunação sexual

Agentes da Polícia Civil estarão infiltrados em blocos de rua da capital para coibir, entre outras ocorrências, as de abuso e assédio sexual durante o Carnaval de Belo Horizonte. “Mais quatro delegacias de plantão, que funcionam normalmente em Belo Horizonte, estarão de plantão. Teremos reforço de efetivo em todas as carreiras, além da delegacia móvel na praça da Estação e do Juizado Criminal na Andradas, além das delegacias de mulheres e menores. Os agentes infiltrados identificam, além disso, pessoas com mandados de prisão em aberto ou com recorrências em brigas”, afirmou o delegado Wagner Sales.

Pelo menos 9.000 policiais militares também estarão nas ruas de Belo Horizonte durante os quatro principais dias do Carnaval, de sábado a terça-feira. O maior foco é no combate às ocorrências de furto e roubo de celular, além de ocorrências de assédio e crimes sexuais.

“O furto e o roubo são crimes de oportunidade. É muito comum ver as pessoas com celular no bolso de trás, por dentro do short, com a ponta aparecendo. É o tipo de comportamento que o infrator gosta. A pessoa nem sente que teve o celular furtado. A gente orienta as pessoas que tragam o celular nas doleiras ou em cordões com aquele tecido plástico. Evite andar sozinho, esteja sempre com um grupo de pessoas e evite passar por locais ermos”, orientou o comandante de policiamento da capital, coronel Eduardo Felisberto Alves.

“Da mesma forma como a gente está tratando a questão do roubo e celular, vale em partes para a questão do assédio, do estupro ou algo do tipo. Temos várias áreas na cidade com baixa luminosidade. Então a gente pede para que as meninas evitem transitar sozinhas nesses lugares. Estar em grupo minimiza a tentativa de qualquer crime sexual”, completou o coronel.

Em relação a manifestações políticas durante os blocos, o comandante informou que situação acontecerá naturalmente. “É uma garantia constitucional. Temos que ter o devido cuidado para que essa manifestação política não extrapole o razoável e passe para a agressão verbal. Vamos ter blocos com 400 ou 500 mil pessoas. Imagine uma manifestação política agressiva com pessoas que são de diversas ideologias políticas. Podemos ter uma tragédia. Então precisamos contar com o bom senso das pessoas que conduzem esses blocos, e de todos os lados ideológicos, seja de esquerda, centro ou direita. Se cada um respeitar o espaço do outro, não teremos problema”, afirmou.

O efetivo total da Guarda Municipal, de 2.049 agentes, estará nas ruas durante o evento.

Blocos barrados

Em torno de 700 bombeiros estarão em serviço na capital para realizarem as vistorias prévias antes das saídas dos blocos e demais ocorrências. Pelo menos 20 blocos ainda não tiveram a confirmação de saída devido a critérios estruturais não atendidos.

“A questão dos blocos que usam trio elétrico, o que chama a atenção é em relação à altura, pelo perigo do contato com a rede elétrica e também as condições do veículo. Em toda saída de bloco é feita antes uma vistoria pelo Corpo de Bombeiros. Auxiliamos os blocos na definição dos trajetos, pelas condições da cidade. Temos áreas sujeitas a enchentes e inundações e isso foi feito junto com os blocos”, explicou o coronel Sérgio José Ferreira, do Corpo de Bombeiros.

Transporte e circulação

De acordo com a BHTrans, três grandes planos foram adotados para o Carnaval da capital. Um deles é referente ao transporte coletivo, que sofrerá alterações nos itinerários, o outro é a mudança de acesso a área hospitalar, visando deixar a avenida do Contorno, prioritariamente, livre. Em terceiro, uma vigilância específica será feira em relação a ingestão de bebida alcoólica no volante. Ao todo, 400 agentes estarão nas ruas realizando as fiscalizações que cabem a empresa.

Uma frota de 35 veículos do Foliônibus, parceria da Belotur com patrocinadores, estará rodando gratuitamente entre os dias 22 e 25 de fevereiro. Os ônibus farão um trajeto circular no Centro, com saída a cada 5 minutos da Avenida dos Andradas (entre a praça do Perrela e a avenida do Contorno). A região da Pampulha também terão um trajeto do Foliônibus, para acesso no entorno do Mineirão.

Palcos oficiais

Apostando na descentralização do Carnaval da capital, a Prefeitura de Belo Horizonte também lança, neste ano, palcos oficiais na Serra, no Zilah Spósito, na Lagoinha e na Praça do Confisco. Os palcos regionais de Venda Nova e do Barreiro ganham um dia a mais na programação. Além deles, praça da Estação e Parque Municipal também contam com palcos oficiais.

Escolas de samba

Dez escolas de samba irão desfilar no Carnaval de Belo Horizonte. Cada grupo habilitado para desfilar na avenida recebeu como subvenção R$ 200 mil, 100% a mais do que no ano passado. Os blocos caricatos também receberam aumento, passando de R$ 45 mil para R$ 50 mil no grupo A, e de R$ 31 mil para R$ 35 mil no grupo B. São dez os blocos caricatos no total.

Limpeza urbana

Por dia de carnaval, cerca de 1.400 garis estarão trabalhando nas ruas e avenidas. Pelo menos 9.700 containers para armazenamento de lixo comum foram locados. Cada um deles tem capacidade para 240 litros.

No primeiro fim de semana de carnaval, a Secretaria de Limpeza Urbana informou ter recolhido 20,6 toneladas de lixo das ruas.

Mostra Gentileza

A partir desta terça-feira (11), quem for até o hall da sede da Prefeitura de Belo Horizonte, no centro da capital, pode encontrar uma mostra com painéis de vídeos, pinturas e fotos da história do Carnaval de Belo Horizonte. A mostra estará aberta gratuitamente até o dia 1° de março, de segunda a sexta, das 10h às 19h, e sábados e domingos das 10h às 14h.

Fonte: por Mariana Nogueira –  O Tempo

Foto: Élcio Paraíso – PBH

 

Mais lidas