Conecte-se conosco

Colunistas

É utópico negar a evidência de que não há política sem escambo!

Mauro Soares

Publicados

em

Há algo de suicida no proceder do Capitão, à frente do governo.

O super ministro, Paulo Guedes, homem forte da Esplanada, brada aos quatro ventos, que sem a reforma da Previdência, restará o Apocalipse. A gestão Bolsonaro só será exitosa se emplacar a reforma. Para tal intento, são necessários 308 votos na Câmara Federal, e viabilizar sua obtenção passa pelo incessante exercício do dialogar.

Mas Bolsonaro prefere fazer cara de nojo, desdenha da classe política e encena pra platéia, num teatro patético e juvenil.

Nosso mandatário vislumbra novos ares na administração pública, onde não há espaço para a “velha política”,  terminologia que não encontra ressonância em substancial parcela dos seus ex-colegas congressistas, que enxergaram nessa afirmação um quê de hipocrisia.

Sob holofotes, Bolsonaro desmerece os políticos e faz cara de descontentamento para as composições com as siglas. Na surdina oferece cargos, porém excluindo da lista os postos considerados mais atraentes – Dnit, Banco do Nordeste e Itaipu – por exemplo.

O jogo duplo vai exaurindo as legendas. E de resto, a imprevisibilidade da reação do MDB, partido de Temer, ante sua prisão e dos seus mais íntimos na vida pública, embora já libertos, adiciona preocupação num ambiente que já acumula tensões.

Não obstante, o filho ‘Zero Dois’ do presidente, Carlos Bolsonaro, aquele a quem ele  carinhosamente se refere como “meu pitbull”, imaginou ser boa idéia,  dar umas caneladas virtuais no presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ). Provocado, após intensa refrega, Maia aconselhou Bolsonaro, o pai, a dedicar mais tempo à Previdência do que ao Twitter, afirmando que a partir de então, praticaria a “nova política”, consistindo em não fazer nada e esperar os aplausos nas redes sociais.

Vislumbrando o porvir, no pior cenário, a capacidade do governo de fomentar “inimizades”, culminará no insucesso da reforma previdenciária. Nessa hipótese, os Bolsonaro decerto irão às redes para responsabilizar Rodrigo Maia e a velha política pelo mau estado das contas públicas e da economia nacional.

A retórica do combate às oligarquias não serve senão para abrir o caminho que conduz à desarrumação. Jair Bolsonaro e sua dinastia sempre poderão recorrer às redes sociais para acusar o Congresso de bloquear as propostas do governo. Mas já ficou clarividente que esse tipo de conduta serve apenas para cevar crises.

Inexiste velha e nova política. O que temos é a benigna política, voltada para o bem comum, e a clepto-política, com agentes públicos à cata de enriquecerem-se ilicitamente. A Lava Jato demonstrou que, nos últimos anos, os índices de corrupção mantiveram-se inalterados no Brasil.

Continua na absurda totalidade da máquina pública. O presidente faz bem em tomar distância do modelo em que a governabilidade é obtida na base do “uma mão suja a outra”. Porém há de se ressaltar, que naturalmente os congressistas são portadores de demandas do seu eleitorado, e é utópico negar a evidência de que não há política sem escambo.

O governo evolui da fase da desarticulação, para o estágio do isolamento político, num prazo recorde; as trapalhadas da trupe Bolsonaro, pai e filhos, paulatinamente pulverizam sua popularidade, desconjuntam a base aliada e municiam uma oposição em frangalhos.

Nosso presidente ainda não se ateve ao fato de que os filhos e as redes sociais, vitais para sua eleição, demonstram pouca serventia na hora de governar.

Abençoada semana

Graça e Paz

PUBLICIDADE

Clique Aqui

MAURO SOARES CORRÊA é casado, pai de duas filhas, bacharelado em ciências contábeis, micro-empresário calçadista, radialista e presidente da Associação São Sebastião de rádio e comunicação.

Continue Lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Copyright © 2018 Ineo Sistemas