Conecte-se conosco

Atualidade

Coronavírus: Hemominas e Fhemig fazem estudo com plasma de paciente curado

Israel Silveira

Publicados

em

Pesquisa avalia se anticorpos de quem foi infectado podem ajudar no tratamento de doentes graves
Um estudo feito também em Belo Horizonte pela Fundação Hemominas juntamente com o Hospital Eduardo de Menezes, que é da rede da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), pode trazer um pouco de alento para aqueles pacientes que contraíram a doença e estão em estado grave. A esperança está no tratamento que utiliza o plasma de uma pessoa que teve o coronavírus e se recuperou.

A informação foi confirmada na tarde desta sexta-feira (17) pelo secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, que participou de uma transmissão ao vivo pela internet e respondeu a perguntas dos jornalistas feitas previamente. O procedimento ainda está em fase de estudos, inclusive em outras partes do mundo.

O secretário explicou como o tratamento deve acontecer caso seja aprovado pela comunidade científica. “As pessoas que já tiveram (a doença) e formaram anticorpos, esses anticorpos ficam no plasma, que é o componente líquido do sangue. O que se tem tentado fazer – isso é uma pesquisa que tem sido feita em vários lugares do mundo, inclusive na Hemominas e no Hospital Eduardo de Menezes – é que se extrai o plasma das pessoas que tiveram a doença, trata-se o plasma e depois infunde-se na pessoa que tem a doença de uma forma mais grave”, resumiu Amaral.

“O objetivo é que os anticorpos da pessoa que já está curada ajudem aquele que está com a doença. Esta é a lógica, mas ainda há a necessidade de comprovação científica. Por isso está em fase de estudo técnico ainda”, completou o secretário da Saúde de Minas Gerais.

  • Fonte: O Tempo

Mais lidas