Conecte-se conosco

Governo Estadual

Zema determina fechamento do comércio nos 853 municípios e fechamento das divisas de MG para ônibus e trens de passageiros

Israel Silveira

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.
Governador também determinou o fechamento do comércio nos 853 municípios do Estado como medida para combater o coronavírus
O governador Romeu Zema (Novo) anunciou que Minas Gerais entra a partir desta sexta-feira (20) em estado de calamidade pública e passará a adotar medidas mais duras para o combate à disseminação do coronavírus.

Entre as medidas anunciadas pelo governador estão o fechamento das fronteiras de Minas Gerais para os transportes de passageiros de ônibus e trens e o fechamento de todas as escolas do Estado, sejam públicas ou privadas por tempo indeterminado.


Em comunicado transmitido pelas suas redes sociais, Zema informou que o fechamento de estabelecimentos comerciais, com exceção dos considerados essenciais, serão válidos para todos os 853 municípios mineiros.

“Com esse decreto de calamidade pública passo a ter condições de tomar medida para todo o estado e passo então a me sobrepor aos prefeitos”, explicou o governador.

O decreto foi enviado para a Assembleia Legislativa de Minas (ALMG), mas segundo o governador ele já entra em vigor em situação excepcional.

O governador afirmou que não é possível prever quanto tempo o decreto de calamidade pública vai vigorar, mas que ele pode se estender por mais de dois meses.

Zema classificou ainda como “assassinos invisíveis” aqueles que não respeitarem as medidas para o combate ao coronavírus.

“Estamos vivendo um momento único, excepcional. Gostemos ou não de mudar nossa vida. Não sabemos se (essa situação) vai durar mais 20 dias, ou 40 ou 60 dias. Mas ela está acontecendo. Parece que algumas pessoas não tomaram ciência da gravidade da situação. O mundo nunca viveu algo como isso. Nem nossos pais, nem nossos avós passaram por algo assim. A partir de segunda-feira, milhões de pessoas não poderão ir às escolas, lojas, shoppings e comércios. Vamos ter que abir mão de tudo em nome de salvar vidas”, afirmou.

Segundo Mateus Simões (Novo), recém nomeado Secretário Geral de Estado, a assinatura do decreto de calamidade no Estado só foi possível nesta sexta-feira (20), uma vez que o governo federal não havia decretado situação de emergência.

“Precisávamos da autorização federal para que isso fosse feito. A votação de calamidade no Senado (na manhã desta sexta-feira) nos permitiu tomar a medida. O governador determinou então a expansão das medidas para todo o Estado”, explicou Simões.

No entanto, em outros estados alguns governadores já haviam tomado medidas como o fechamento de fronteiras e de estabelecimento comerciais.

  • Com informações do jornal O Tempo
Leia mais...
Propaganda

Mais lidas