Conecte-se conosco

Curiosidade

Torcedor pode rever todos os jogos do Brasil na Copa do Mundo do México, de 1970

Israel Silveira

Publicados

em

Canal SporTV inicia hoje reprise dos seis jogos do Mundial de 1970 e Super.FC relembra os passos do tricampeonato da seleção brasileira no México, partida a partida

A partir desta terça (dia 14), o torcedor brasileiro terá a oportunidade de acompanhar todos os seis jogos da campanha do tricampeonato mundial da seleção brasileira, em 1970. A conquista vai completar 50 anos no mês de junho e o canal SporTV vai reprisar as partidas sempre às 19h, a começar por hoje, com a estreia diante da Tchecoslováquia. Nos próximos dias, o Super.FC vai trazer um pouco da história de cada partida, contextualizando o leitor sobre o que estava ocorrendo em campos mexicanos.

Em 3 de junho de 1970, o Brasil entrou em campo pela primeira vez na Copa do Mundo do México. No estádio Jalisco, em Guadalajara, 52.897 pessoas pagaram ingresso para ver um verdadeiro espetáculo verde e amarelo contra a Tchecoslováquia, especialmente no segundo tempo, quando a seleção brasileira chegou aos 4 a 1 e assumiu a liderança do grupo C, que tinha também Inglaterra e Romênia. No dia anterior, também no Jalisco, os ingleses fizeram 1 a 0 nos romenos.

O grupo do Brasil não era dos mais simples. A Tchecoslováquia desclassificou a tradicional Hungria nas eliminatórias em um jogo desempate, a Inglaterra era a então campeã do mundo e manteve a base vencedora do Mundial de 1966, enquanto a Romênia foi a líder de um grupo nas eliminatórias que tinha Portugal, terceiro colocado na Copa de 66.

Preparação

O último amistoso da seleção no Brasil foi em 29 de abril, quando a equipe dirigida por Zagallo venceu a Áustria por 1 a 0 no Maracanã, gol de Rivellino. Antes dessa partida, Zagallo tinha dirigido a equipe em mais três jogos (5 a 0 no Chile, 2 a 1 no Chile e 0 a 0 com o Paraguai), todos em solo brasileiro. O lendário treinador alagoano substituiu João Saldanha a três meses da Copa, em março, e já naquela época, tinha bom trânsito na CBF. Aos 38 anos, Zagallo não só assumiu o comando como trouxe novidades para a equipe, entre elas, o atacante Dario, sugerido pelo então presidente Médici. Dois futuros técnicos da seleção em Mundiais, Cláudio Coutinho (1978) e Carlos Alberto Parreira (1994 e 2006) faziam parte da comissão técnica. Já no México, a equipe fez três jogos-treino, vencendo combinados das cidades mexicanas de Guadalajara, León e Irapuato, quando o treinador fez suas últimas observações.

As mudanças

Do time que entrou em campo contra a Tchecoslováquia, apenas seis foram titulares no último jogo de João Saldanha como treinador, o 2 a 1 contra a Argentina, no Maracanã, em 8 de março: Carlos Alberto, Brito, Piazza, Gérson, Jairzinho e Pelé. Perderam a vaga Leão, Fontana, Marco Antônio, Dirceu Lopes e Edu. Destes, apenas Dirceu Lopes, destaque do Cruzeiro, ficou de fora da lista final para o Mundial. No Jalisco, o Brasil estreou com Félix, Carlos Alberto, Brito, Piazza e Everaldo; Clodoaldo e Gérson (Paulo César); Jairzinho, Tostão, Pelé e Rivellino.

Piazza, volante com Saldanha e no Cruzeiro, foi recuado para a zaga, Everaldo, do Grêmio, assumiu a lateral esquerda e a formação tática variava, em campo, de um 4-2-4 para um 4-3-3 ou até mesmo um 4-4-2, dependendo da situação de jogo.

A partida

O Brasil começou mal o jogo e já tinha corrido perigo antes de Petras abrir o placar para os tchecos, aos 10 minutos. O Brasil só foi se acalmar depois de empatar, aos 17, com Rivellino, em uma pancada na cobrança de falta, sofrida por Pelé na meia-lua. Apesar dos dois gols, o lance memorável do primeiro tempo e também do jogo foi o que o Rei não conseguiu concluir. Aos 41 minutos, Pelé chutou de antes do meio-campo e a bola passou a centímetros do gol de Viktor. Um dos lances mais espetaculares de todas as Copas.

Outro gênio entrou em ação no segundo tempo, quando os tchecos pareciam ter sentido os efeitos do calor mexicano: Gérson. O jogador do São Paulo, que já tinha acertado a trave, fez um de seus lançamentos primorosos, do meio do campo, no peito de Pelé, que concluiu com categoria e fez 2 a 1, aos 14 minutos. Cinco minutos depois, foi a vez de Rivellino fazer um lançamento, agora para Jairzinho fazer 3 a 1 depois de dar um chapéu desconcertante em Viktor. Aos 37, Jairzinho driblou três adversários e fez 4 a 1.

O bom desempenho comprovou a importância de o Brasil ter chegado a Guadalajara um mês antes do início da Copa, um fato que seria impossível hoje em dia. O bom preparo físico e o acerto nas opções feitas por Zagallo deu resultado e a seleção largava na frente em um grupo difícil.

Curiosidades

  • Aos 27 minutos do segundo tempo, Paulo César entrou no lugar de Gérson, que vinha de lesão e foi poupado do fim da partida. Foi a primeira substituição feita pela seleção brasileira na história das Copas. As alterações foram implantadas exatamente no Mundial do México.
  • O jogo foi o primeiro de um Mundial a ser transmitido via satélite para o Brasil. Apesar de a transmissão ser colorida, a maioria absoluta dos brasileiros tinha mesmo era um aparelho que transmitia em preto e branco.

* Fonte.: O Tempo

Mais lidas