Conecte-se conosco

Policial

Veja vídeo – Quadrilha que praticava sequestros e golpes é desmantelada pela Polícia Civil

Avatar

Publicados

em

Cabeça da organização coordenava crimes de dentro da penitenciária Nelson Hungria e vinha sendo monitorado deste novembro de 2018 quando aplicou golpe em Nova Serrana

Uma quadrilha que realizava golpes com sequestro de fazendeiros foi desmantelada pela Polícia Civil nesta terça-feira, dia 11 de junho. Na ação quatro homens foram presos, sendo que o chefe do bando coordenava as ações de dentro da penitenciária Nelson Hungria na Grande BH.

De acordo com as informações os golpes eram coordenados por Breno Henrique Gonçalves de Barcelos, de 27 anos, que atualmente segue preso na Nelson Hungria, cumprindo pena por roubo.

A Polícia Civil informou que todo o bando, inclusive uma mulher, foram recrutados de dentro da penitenciária.

Ainda segundo a Polícia Civil, foram presos Rafael Silva Veloso, de 37 anos, com passagem por roubo que tinha a função de tomar conta do cativeiro; Daiane dos Santos Marques, de 22, mora em BH e foi recrutada para recepcionar as vítimas à beira da estrada; Getúlio de Oliveira Santos, de 25, companheiro de Daiane e que também ficava no cativeiro; e Cristian Iago Faria, de 25, com passagem por roubo e era o motorista do bando.

Golpes

Os golpes eram aplicados sendo iniciados pela redes sócias. Eram postados pelo bando negociações de rebanho e caminhões, que geravam interesse de fazendeiros de outras regiões de Minas e até de outros estados.

A em uma ultima ação foi combinado com um fazendeiro do norte de Minas o encontro para venda de gado. A quadrilha combinou com a vítima de se encontrarem em um restaurante de beira de estrada de Pitangui, no Centro-Oeste de Minas Gerais.

Segundo relatado para o encontro, o fazendeiro levou o filho e um funcionário e por telefone, o “vendedor”, que era Breno, de dentro da penitenciária Nelson Hungria, informou que não poderia ir ao encontro, mas que a mulher dele o representaria.

No referido  restaurante, a criminosa se identificou como mulher do “vendedor” e pediu aos fazendeiros que seguissem o carro dela. Ao chegar a uma porteira de uma suposta fazenda, outros dois criminosos armados saíram do matagal e anunciaram o sequestro.

Prisão

As vítimas foram amarradas, amordaçadas e levadas para uma casa em construção, na periferia de Pitangui. Como a polícia monitorava as ligações, se deslocou até a cidade para prender a quadrilha, contudo ao chegaram no local as vítimas já haviam sido conduzidas.

Os policiais então em continuidade das diligências foram até o cativeiro, tiveram sucesso em prender os quatro suspeitos.

A prisão contudo foi movimentada, segundo o delegado Ramon Sandoli, titular da Delegacia Antissequestro, Ao perceber a abordagem os suspeitos abriram fogo contra os policiais que revidaram, sendo dois suspeitos, entre eles a mulher, atingidos de raspão.

O delegado também ressaltou que o bando como o golpe eram acompanhados já há 8 dias e que esse monitoramento consta de ligações que o suspeito Breno Henrique fazia de dentro da prisão.

Ainda sobre a ação dos criminosos, o delegado, informou que as vítimas sequestradas ficaram em poder dos criminosos por aproximadamente 04 horas, sendo que R$ 85 mil foram transferidos para contas dos suspeitos, contudo a quantia foi bloqueada e posteriormente será restituído ao fazendeiro.

Acompanhamento desde novembro de 2018

Em novembro de 2018 um outro golpe semelhante foi aplicado pela mesma quadrilha. Na ocasião Breno Henrique fez um anúncio falso da venda de um caminhão em Nova Serrana, na e também extorquiu as vítimas mediante sequestro.

No dia 14 de novembro de 2018 a vítima, um senhor identificado com idade de 64 anos, saiu da cidade de Primavera do Leste, no estado do Mato Grosso, para realizar a compra de um caminhão em Nova Serrana.

Chegando na capital do calçado a vítima foi levada até um local ermo, foi amarrado e recebeu a ordem de mandar que seus familiares fizessem o deposito de R$ 100 mil, simulando a compra do veículo, em quatro contas bancárias distintas. Após ter concluído a transação a vítima foi solta no trevo de Pitangui.

De posse das informações a Polícia Civil em Nova Serrana, juntamente com o DEOESP iniciou a averiguação dos fatos e após cruzar os dados com a investigação que vinha sendo realizada já há alguns meses, conseguiu descobrir a organização que já teria cometido outros crimes semelhantes, inclusive com relatos de violência contra outras vítimas.

Na ocasião dois suspeitos membros da quadrilha foram capturados em Nova Serrana na comunidade rural de Gamas, um escapou e foi ainda concluído que dois monitoravam a ação e dentro da penitenciária, sendo um deles Breno Henrique.

Os bandidos já vinham sendo monitorados desde o referido crime e segundo informou o delegado Sandoli,  de janeiro de 2018 até junho deste ano, 28 ocorrências de extorsão mediante sequestro foram registradas em Minas Gerais, sendo que destas  90% segundo a Polícia Civil foram planejadas e executadas por presidiários.

Veja o vídeo da ação dos Policiais Civis

Mais lidas