Conecte-se conosco

Educação

Prefeitura tenta municipalizar Escola Estadual Frei Anselmo e futuro da unidade educacional será tema de audiência pública

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

No dia 18 de maio deu entrada na Câmara Municipal de Nova Serrana o projeto de Lei que autorizaria “o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, visando à municipalização da Escola Estadual Frei Anselmo”.


Em sua mensagem de encaminhamento, o chefe do Executivo pediu que a matéria fosse tratada em “caráter de urgência”, sendo esta pautada para a última reunião das Comissões Permanentes, ocorrida no dia 25 de maio.

Contudo, mesmo com a apresentação do projeto, foi constatado que a comunidade e nem mesmo os próprios servidores da escola sabiam da iniciativa. Isto é, foram surpreendidos com a divulgação da pauta pela Câmara.

 

Polêmica

Durante a reunião das comissões, o vereador Professor Willian Barcelos (PTB) questionou a matéria e recebeu a informação que, diante da polêmica, na véspera, a própria Prefeitura encaminhou um substitutivo, restringindo a municipalização às séries iniciais do ensino fundamental.

Para a reportagem deste Popular, Barcelos alegou que o prefeito encaminhou o projeto sem ao menos lê-lo, pois o texto original dizia claramente: “a Prefeitura Municipal de Nova Serrana absorverá toda a estrutura da extinta escola acima mencionada, ficando, assim, autorizada a criação da Escola Municipal Frei Anselmo, que contemplará o Ensino Fundamental, da qual o Município de Nova Serrana será a Entidade Mantenedora”.

O projeto mencionava também que a Escola Estadual Frei Anselmo passaria a ser denominada Escola Municipal Frei Anselmo, com a transferência do prédio para a Prefeitura, juntamente com os mobiliários, equipamentos em geral, utensílios de cozinha, acervos bibliográficos, materiais didáticos e recursos institucionais. “Queriam levar até as panelas!” Disparou o vereador.

Ele lembrou que em março deste ano, o deputado estadual Fábio Avelar e a superintendente regional de ensino, Luiza Coimbra, estiveram na escola para anunciar que a instituição ganharia um novo prédio, com a demolição das antigas estruturas e a construção de um novo edifício no local.

Nas palavras de Fábio Avelar: “Depois de 20 anos, finalmente, a nossa Escola Estadual Frei Anselmo ganhará um novo prédio. Isso mesmo. Não vamos fazer reforma ou ampliação. Vamos fazer um novo prédio! Destinei R$ 2.275.141,89 para as obras”. O deputado enalteceu a realização de um sonho, que seria “motivo de comemoração para toda a família do Frei Anselmo: alunos, pais e profissionais”.

 

O substitutivo

Antes da reunião das Comissões foi apresentado um Substitutivo, cujo texto restringia a autorização de municipalização apenas às séries iniciais do ensino fundamental, sem qualquer menção à extinção da escola.

Nesse caso, a autorização seria apenas para “celebrar convênio com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, visando à transferência total da gestão administrativa, financeira e operacional no atendimento dos anos inicias do Ensino Fundamental (1° ao 5° ano) da Escola Estadual Frei Anselmo, da rede Estadual para a Rede Municipal de ensino”.

A diretora da escola, Elianete Gonçalves, foi convidada a comparecer na reunião da Câmara e expôs que não haveria como ser contrária à transferência de alunos do 1º ao 5º ano para a rede municipal, haja vista que é uma situação determinada em leis federais e nas diretrizes que regem a educação em nível nacional.

Contudo, a diretora defendeu com veemência a manutenção da escola estadual, alegando que foi pega de surpresa com a proposta, sobretudo a inicial, que dizia sobre a extinção da escola.

Ainda na reunião das comissões, o líder de governo, vereador Adilson Pacheco (PSD), fez completo esforço para que a pauta não fosse discutida durante aquela reunião, alegando que se tratava de substitutivo protocolado há poucas horas. Porém, a Comissão Conjunta, sob a presidência e relatoria dos vereadores Dr. Rodrigo Fabiano (PL) e Professor Willian Barcelos (PTB), respectivamente, permitiu que a diretora da escola explanasse sobre o caso.

Willian Barcelos disse que a municipalização de alunos do ensino fundamental deve ser compreendida como uma espécie de absorção, e que neste caso, não depende de qualquer autorização legislativa. O parlamentar destacou que em 2018 foi feito um remanejamento de alunos do município para o estado, e que agora o movimento seria inverso, mas com as séries iniciais.

Conforme apurado pela reportagem, o vereador se referiu a ida de 260 alunos das escolas municipais Alice Cândida, José Belchior e Dona Maria Rosa para as escolas estaduais Maria Zeli Diniz Fonseca e Padre Lauro, respectivamente.

Barcelos criticou a tentativa de extinção da Escola Estadual Frei Anselmo. Segundo ele, em 2018, a visão da secretária municipal de educação era outra.

“Naquela oportunidade ela criticou o fato de o governo estadual não construir escolas no município há mais de 9 anos. Hoje, quando o Estado decide construir, o município quer o prédio para si, assumindo os alunos com interesses nem um pouco claros, e certamente ligados à verba do Fundeb”. Disse Barcelos

Seguindo com as críticas, Barcelos argumentou que em outros municípios a municipalização vem sendo tratada com muito cuidado, por meio de audiências públicas, citando que algumas cidades decidiram não aderir ao Programa Mãos Dadas, a que se referiu como sendo mais propício chamá-lo de Programa “Mãos Vazias”, isto porque, visando um recurso financeiro imediato, muitas prefeituras assumiriam enormes despesas ou compromissos para o futuro.

 

Discurso da diretora

Durante o uso da palavra, a diretora da Escola Estadual Frei Anselmo esclareceu que o educandário é único da rede estadual que ainda ministra as séries iniciais do ensino fundamental na cidade, sendo que atualmente são 9 turmas nesse ciclo.

“Os professores têm o direito de saberem da situação vigente e qual será o seu destino. Tem milhões em jogo? Pode ter. Tem vantagens? Pode. Concordo plenamente que possam ter. Mas em todos nossos projetos temos perdas e ganhos”. Disse Elianete Gonçalves.

A gestora ressaltou que a medida irá impactar a vida de inúmeros servidores, que até o momento, possuem uma única graduação em pedagogia, cuja habilitação para lecionar se restringe às séries iniciais do ensino fundamental.

“Os senhores me desculpem se está sendo uma ousadia, mas a minha presença aqui é para solicitar a vocês, um apelo a vocês, pelos direitos dos servidores. Pelos direitos de justiça e transparência que não ficaram vigentes até o presente momento”. Concluiu.

Diante da exposição, o vereador Professor Willian Barcelos (PTB) requereu do presidente da Casa, vereador Agnaldo Mendes Cordeiro (Solidariedade), a convocação de uma audiência pública para tratar do assunto. “É como está sendo feito em outros municípios”. Destacou Barcelos.

Por fim, o parlamentar alegou que a pauta não tem a urgência que foi relatada pelo prefeito, já que visa uma realidade a ser atingida a partir do ano letivo de 2022, em cima de um projeto de lei estadual que sequer foi deliberado pelas comissões temáticas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas