Conecte-se conosco

Religião

Padre é acusado de assediar e violentar sexualmente monges em Minas Gerais

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

O monge procurou o padre Ernani Maia dos Reis, líder do Mosteiro Santíssima Trindade, na cidade mineira de Monte Sião, para confessar um conflito interior entre sua vocação religiosa e o desejo de constituir família. “Mas você é gay, casar para enganar uma moça, mentir pra ela uma vida inteira? Porque você é gay”, disse Ernani, de acordo com o relato do monge, que pediu para não ser identificado.


O monge afirma ainda que Ernani pegou uma de suas mãos e a levou até o próprio pênis, enquanto dizia a seguinte frase: “Você tá precisando disso aqui, de pinto”.

Igreja Católica diz que não se omitiu sobre acusações contra padre Ernani Quatro mulheres denunciam pastor em Goiás por abuso sexual Arcebispo de Belém acusado de abusos: novas regras do Vaticano podem influenciar investigações.

Cenas como a descrita acima, ocorrida no ano de 2016, eram comuns, afirma o monge. Relatos colhidos pela reportagem com integrantes do mosteiro dão  conta de que Ernani, padre da Igreja Católica desde 2009, violentou e
assediou sexualmente pelo menos oito monges.

Ainda de acordo com os entrevistados, ele assediou moralmente outras 11 pessoas que viviam sob sua autoridade, por meio de humilhações e agressões verbais. Os crimes sexuais foram cometidos, de acordo com os relatos, pelo menos de 2011 até 2018, quando ele se afastou do mosteiro. As oito vítimas eram homens, com idades entre 20 a 43 anos quando o assédio sexual começou.

Já das 11 pessoas que sofreram constrangimentos e agressões verbais, dez eram mulheres. Em uma dinâmica de abuso de poder, o padre Ernani usava seu lugar de líder espiritual para conquistar a confiança dos integrantes do mosteiro, se colocava como “um pai” com a intenção de envolvê-los pelo lado afetivo e oferecia “sessões de psicanálise” em que as próprias vítimas eram os pacientes.

Relatos dos crimes sexuais atribuídos a Ernani chegaram ao conhecimento da Igreja Católica por meio de investigações internas, mas o padre só foi afastado depois que ele mesmo pediu para sair do mosteiro, em agosto de 2018, alegando “cansaço” e “crise vocacional”.

Não consta que ele tenha recebido qualquer punição da Igreja Católica, que o enviou para uma casa de acolhimento para sacerdotes, por seis meses, com recursos do próprio mosteiro.

Desde novembro de 2020, o UOL entrevistou um total de 40 pessoas para produzir esta reportagem e o documentário “Nosso Pai”, lançado hoje. As vítimas de assédio e violência sexual serão identificadas por numerais ao
longo desta reportagem. Oito monges afirmam ter sofrido assédio e violência sexual por parte do padre Ernani Maia dos Reis.

Padre nega as acusações

Ernani Maia dos Reis negou as acusações em duas oportunidades, mas se recusou a responder às perguntas específicas dos repórteres. Aos 53 anos de idade, ele vive em Franca (SP), onde mantém um consultório de psicanálise.

Das oito vítimas de violência sexual ouvidas pela reportagem, duas relataram os ataques atribuídos a Ernani durante a investigação da Igreja Católica. Todas as oito afirmaram que não receberam qualquer ajuda psicológica ou financeira
da instituição.

Por sua vez, a Igreja Católica disse, em resposta enviada por email, que “nunca negou qualquer fato (dele) ou ato atribuído quando do exercício na liderança daquela comunidade” e que não se omitiu em relação ao caso.

“Foram constituídas auditorias, comissões de apuração em várias esferas de acompanhamento, sendo as respectivas comunicações, diretas aos representantes legais superiores (Nunciatura e Santa Sé). Nunca houve
qualquer omissão nesse sentido”, lê-se na resposta enviada.

A igreja não respondeu sobre as conclusões das investigações internas, nem esclareceu que atitudes foram tomadas em relação aos relatos de crimes sexuais cometidos pelo padre Ernani. Também não respondeu qual o atual
estágio do processo de saída de Ernani da Igreja Católica, que foi encaminhado ao Vaticano.

Fonte: Uol Notícias

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas