Conecte-se conosco

Ciência

Novo tratamento para coronavírus é testado em tecido humano

Israel Silveira

Publicados

em

A droga reduziu a carga viral relacionada à covid-19 durante teste feito em laboratório, mas faltam ensaios clínicos
Um time internacional de pesquisadores, liderado pela Universidade British Columbia, no Canadá, publicou um estudo científico sobre o novo coronavírus propondo um método de tratamento que bloqueia a porta de entrada da infecção nas células de um indivíduo. Como a grande maioria dos estudos a respeito do novo coronavírus, que foi descoberto apenas no fim do ano passado, o novo trabalho não é conclusivo, mas representa um avanço na compreensão do comportamento do vírus ao ser exposto a diferentes tratamentos.

“Nosso estudo fornece evidências diretas muito necessárias sobre um medicamento – chamado APN01 (enzima conversora de angiotensina solúvel recombinante humana 2 – hrsACE2) – que logo será testado em ensaios clínicos pela empresa europeia de biotecnologia Apeiron Biologics como uma terapia antiviral para a covid-19 “, diz Art Slutsky, cientista do Centro de Pesquisa Keenan para Ciências Biomédicas do Hospital de St. Michael e professor da Universidade de Toronto, que é colaborador do novo estudo. Os testes do medicamento foram feitos em tecidos humanos, em laboratório, e eles reduziram a carga viral do novo coronavírus.

O estudo analisou como o vírus interage com o corpo em nível celular, assim como com os vasos sanguíneos e rins. Estudos prévios mostram que o coronavirus se liga com células ACE-2, por meio de espinhos de proteína, e se reproduz, causando os sintomas característicos da covid-19, como febre, tosse e dificuldade para respirar. Vale notar que nem todos os infectados têm quadros sintomáticos.

A pesquisa foi financiada pelo governo federal do Canadá por meio de um fundo de emergência voltado para a aceleração do desenvolvimento de medidas para lidar com a pandemia de covid-19.

Nesta semana, pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, publicaram um estudo científico sobre uma vacina criada com uma versão do vírus que foi revisada pela comunidade científica e mostrou resultados promissores em ratos, apesar de ainda não ter sido testada em humanos até o momento. A Organização Mundial da Saúde estima que uma vacina contra o novo coronavírus estará disponível dentro de 18 meses. Por conta disso, por enquanto, a quarentena ainda é a política pública mais recomendada por especialistas e pesquisadores globalmente, mesmo com os potenciais efeitos negativos para a economia.

  • Fonte: https://thegoodnewscoronavirus.com/

Mais lidas