Conecte-se conosco

Saúde

Maioria dos casos de coronavírus só requer isolamento em casa. Entenda

Israel Silveira

Publicados

em

Secretário Especial de Comunicação da Presidência está em isolamento domiciliar após testar positivo para o novo vírus. Veja cuidados necessários

* Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo

* Brenda Marques, do R7

O Secretário Especial de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, está em isolamento domiciliar após testar positivo para o novo coronavírus. A medida serve para prevenir novos casos e é adotada para quem tem quadro leve da infecção. Mesmo assim, essa situação exige cuidados especiais para não contagiar a família e pessoas próximas.

“Como 80% dos casos de covid-19 [doença causada pelo novo vírus] são benignos, a maior parte das pessoas têm indicação de isolamento domiciliar, pois elas não precisam de ventilação, medicação intravenosa ou cuidados mais complexos”, explica o infectologista Hélio Bacha, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

De acordo com ele, a recomendação é de isolamento total até o desaparecimento dos sintomas. A família do indivíduo infectado pode continuar em casa, desde que existam condições adequadas para manter o isolamento.

“Deve haver um ambiente no qual a pessoa possa se trocar, tirar a máscara sem expor outras pessoas a risco”, observa Bacha.

A infectologista Ana Freitas, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, enfatiza que o ideal é não compartilhar o mesmo cômodo.

“Se tiver que haver comunicação [com outras pessoas] ou qualquer saída do isolamento, deve ser usada a máscara cirúrgica”, orienta. “Precisa, por exemplo, fazer uma faxina no banheiro e limpar os objetos que a pessoa que está com a doença usa”, acrescenta.

Bacha pondera que o contato com outras pessoas não está totalmente proibido. “Mas é aconselhável que receba o mínimo de visitas. Quem for ter contato [com o doente e seu ambiente de isolamento] vai ter que usar todos os equipamentos de proteção: máscara, avental, luva e óculos”, esclarece.

Apenas pessoas que fazem parte do grupo de risco para a covid-19, ou seja, idosos com mais de 60 anos, pessoas com doenças crônicas – como diabetes e hipertensão – e imunidade baixa não podem ter nenhum tipo de contato com quem está doente.

“Um idoso, por exemplo, não deve ficar na casa de uma família que já sabe que tem o caso”, destaca Ana.

Ambos os especialistas acrescentam que o paciente em isolamento domiciliar deve ser monitorado.

“Esse acompanhamento pode ser feito por visita de uma equipe médica ou a distância.”, afirma Bacha.

“A pessoa pode ir ao hospital se o quadro piorar ou precisar de exames mais complexos, mas isso é exceção. A maior parte dos casos evolui como um resfriado banal”, conclui.

Mais lidas