Conecte-se conosco

Câmara Municipal de Nova Serrana

Jadir Chanel não é mais presidente da comissão processante que avalia cassação de Adair da Impacto

Avatar

Publicados

em

Jadir Chanel não é mais presidente da comissão processante que avalia o a denúncia de cassação contra o vereador Adair da Impacto. Na última sexta-feira, 03 de julho, o vereador renunciou ao cargo após o relator, Willian Barcelos, protocolar sua renuncia ao cargo, caso Jadir continuasse a frente da comissão.

Em reunião realizada no gabinete da presidência entre os trezes vereadores, foi debatido o fato, sendo discutido o ofício protocolado pelo vereador Willian Barcelos, renunciando ao cargo.

Segundo apontado pelo vereador Willian Barcelos, os trabalhos estavam sendo conduzidos por Jadir de forma que o processo não chegaria ao fim. “Vinham sendo cometidos erros que interfeririam diretamente no resultado do trabalho da comissão. O nobre vereador não sabe e nem se orientou para que os trabalhos da comissão seguissem de forma adequada, e demonstrando incompetência no andamento do processo até mesmo dificuldade em fazer ofícios era obtido, sendo assim preferi como relator, pedir minha saída da comissão, fato que ocorreu na terça-feira, para que não fosse atrapalhado o andamento da comissão que ao meu ver não teria um fim, pela condução do então presidente”.

Willian ratificou suas falas mostrando um despacho encaminhado por Jadir Chanel a seu gabinete, informando a entrega das pastas do processo, onde sequer o documento tinha data de envio. “Esse despacho por exemplo, o presidente não teve o cuidado de ao menos colocar uma data especificando a data da entrega dos documentos, é difícil dar trabalho a algo tão irrelevante e com tantas imputações jurídicas com tal despreparo. Como já falei, se não sabe fazer peça orientação para quem sabe, não se deve agir de forma descabida pensando que no fim tudo se resolve de forma desvairada que não é assim”.

Durante a realização da reunião, onde então era debatido a saída de um dos vereadores da comissão, foi então proposto que Jadir deixasse a presidência e ocupasse o cargo de vice presidente da comissão, o que foi entendido como positivo pelo relator que disparou, “pra mim o importante é Jadir deixar a presidência da comissão, ele deixando o cargo de presidente, eu garanto que o processo caminha e chega ao fim dentro do prazo hábil”. Afirmou Barcelos.

Por sua vez, o vereador Jadir Chanel atendou nossa reportagem e ponderou: “Quanto a ter deixado a presidência de uma das comissões que faço parte, a comissão se reorganizou para dar mais agilidade aos trabalhos, apenas isso. Estou como relator em outras duas comissões o que demanda também presteza e tempo de minha parte, os trabalhos seguirão dentro da normalidade, tenho certeza disso”. Afirmou o vereador.

Após a discussão foi então deliberado que o vereador Zé Aberto, que até então era vice-presidente, assume a frente dos trabalhos, Jadir Chanel, automaticamente se tornou vice-presidente e a relatoria se manteve com Willian Barcelos.

Acusações de suborno

Ainda durante a reunião teria acontecido acusações graves quanto à conduta de vereadores da Câmara Municipal. Segundo informações ainda não confirmadas, Jadir teria dito que dois vereadores da Câmara Municipal receberam oferta de propina, mais especificamente um lote e dinheiro para votarem de forma contraria a cassação.

A denúncia incompleta não teria deixado os vereadores satisfeitos, sendo que alguns edis afirmaram que levariam o caso a plenário na próxima terça-feira, cobrando nomes e transparência por parte de Jadir Chanel.

Informações que correm nas redes sociais chegaram a apontar que um dos vereadores até procurou Jadir para tirar satisfações do fato, o que foi nas redes sociais negado por Jadir Chanel.

Questionado sobre a existência ou não de denúncia de suborno na reunião, o vereador Jadir Chanel afirmou a nossa reportagem que não tem conhecimento sobre a questão. “Não sei de denuncia !”, afirmou o o parlamentar.

Nossa reportagem ainda questionou o vereador Willian Barcelos sobre a veracidade das acusações que teriam ocorrido durante a reunião de portas fechadas, sendo que por sua vez Barcelos ponderou. “Sobre possíveis acusações, e partindo da credibilidade de quem as proferiu, a única declaração deste parlamentar é que não estamos num momento de perder tempo com invenções ou deduções, mas com aquilo que a sociedade deseja, qual seja, o desfecho dos processos de cassação. Muito ajuda quem não atrapalha. Nisso que devemos nos concentrar para recuperar parte da credibilidade deste Parlamento”. Finalizou o vereador.

 

Clique aqui e faça parte de nosso grupo de whatsapp

Clique aqui e siga-nos no instagram

Clique aqui e siga-nos no facebook

JORNAL O POPULAR – A NOTÍCIA COM DEVE SER

Mais lidas