Conecte-se conosco

Investigação

Em Minas, morte de PM por possível contaminação em cerveja é investigada pela Polícia Civil

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

A morte de Antônio Paulo dos Santos, de 61 anos, está sendo investigada por possível envenenamento por dietilenoglicol, substância que ficou conhecida por ser encontrada em cervejas da marca Backer entre 2019 e 2020. Conforme apuração do UOL, a morte de Antônio, no último dia 27 de maio, é alvo de investigação da Polícia Civil de Minas Gerais por suspeita de contaminação em latas de cerveja da marca Brussels, as quais foram ingeridas pelo policial militar da reserva no último dia das mães.


Após o consumo, Antônio precisou ser levado ao hospital dias depois e foi diagnosticado com insuficiência renal. Na sequência foi transferido para uma UTI e acabou não resistindo.

Ainda de Segundo o UOL, a Polícia Militar que de acordo com a esposa da vítima a Vigilância Sanitária já recolheu algumas amostras da cerveja consumida por Antônio. Por meio de nota, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) informou que o Departamento de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz Fora, a pedido do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde de Minas Gerais, recolheu e enviou para análise o produto suspeito. O material recolhido está sendo analisado e o caso segue em investigação.

A morte do policial militar da reserva foi confirmada pelo Hospital Albert Sabin, que não quis dar mais detalhes e preferiu não se pronunciar sobre o caso.

A PC de Minas Gerais segue investigando a morte de Antônio e aguarda laudo da necropsia para obter a causa da morte.

O que diz a cervejaria?

A cervejaria confirmou por comunicado que usa somente Álcool Etílico Potável para o sistema de resfriamento, na quantidade de 18%. A empresa ressaltou que não utiliza nenhuma outra substância nas etapas de produção da cerveja. Além disso, a processo é atestado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Dietilenoglicol

A substância usada para refrigeração industrial foi que causou a contaminação das cervejas da Backer. Vale lembrar que o dietilenoglicol é tóxico e não pode ser consumido.

Fonte: IstoÉ

Foto: Imagem Ilustrativa

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas