Conecte-se conosco

Curiosidade

Conheça as cidadezinhas de Minas aonde o coronavírus ainda não foi

Avatar

Publicados

em

O novo coronavírus já alcançou 95% dos municípios de Minas Gerais. Das 853 cidades que compõem o estado, apenas 38 – o mais populoso deles, Pedra de Maria da Cruz, na Região Norte, tem 12.107 habitantes – escapam da estatística de casos confirmados de COVID-19, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).
As regiões Noroeste e Triângulo Mineiro já foram toda tomadas pela doença. Nas outras, poucas cidades ainda persistem sem registros de infecções pelo vírus. Na Região Central, por exemplo, somente cinco municípios fazem parte do grupo de “zero caso”. Mas não estão blindados contra o micro-organismo. É o caso de Queluzito e Casa Grande, cidades vizinhas uma da outra e com média de 2 mil habitantes, que recebem diariamente pessoas de Belo Horizonte e de outras localidades com alto número de infectados.

Em Queluzito, ações de orientação à população foram fundamentais para manter o vírus longe da cidade até aqui. “O medo hoje é um aliado nosso”, acredita o prefeito Célio Pereira de Souza (PR). “As pessoas têm medo de sair de casa, isso nos ajuda”, explica. É possível ver que os poucos moradores que saem procuram não se aglomerar, mas nem sempre usam máscara. E não é por falta delas. Segundo a prefeitura, um kit higiene com máscara, sabonete e álcool em gel foi entregue para toda a população, de casa em casa, pelos agentes de saúde. Além disso, a prefeitura promove a desinfecção de ruas semanalmente. Na entrada da cidade, uma barreira sanitária afere a temperatura de quem chega.

O vigilante Roberto César de Melo, de 35 anos, é nascido e criado em Queluzito. Sem máscara, por estar sozinho no carro, ele aprova os cuidados e torce para que o vírus não alcance a cidade. “Essa barreira deixa a gente mais tranquilo. Tenho pais de 75 anos, então, estou tomando os cuidados e, se Deus, quiser essa doença não vai entrar aqui não”, disse. O vendedor Jony Oscar Costa, de 32, precisou entrar na cidade para entregar produtos. “Ando em muitas cidades no entorno, então, tenho que ter cuidado. Como aqui (Queluzito) não tem casos, fico mais confortável, mas a gente não pode deixar de se precaver”, comenta.
Nas ruas tranquilas do perímetro urbano, José Pereira Zebral Neto, de 69, se encontra com companheiros que o chamam pelos apelidos Goiano ou Fim. Montado em sua égua, ele alerta: “Tem que ser de longe”. Na terça-feira, o irmão, de 50, foi internado em um hospital em Conselheiro Lafaiete, a 20 quilômetros da cidade, com dores no peito. Apesar de ser um dos sintomas da COVID-19, a família não acredita que seja a infecção.
“Ele tem problema de coração e outras coisas. Creio que não seja coronavírus, mas fica a suspeita. Fizeram o teste dele lá e deve sair em cinco dias”, disse Goiano, ressaltando que segue as medidas de prevenção ao contágio. “Não fico ‘aplantando’ por aí sem máscara. Lavo as mãos bem lavadinhas.”

Queluzito adotou ao programa Minas Consciente, do governo estadual, que estabelece protocolos sanitários para que as prefeituras possam avaliar condições e permitir – ou não – a retomada das atividades da economia em meio à pandemia do novo coronavírus. “A orientação vinda do estado foi boa pra nós porque podemos ter a retomada com consciência”, avalia o prefeito.

A 12 quilômetros, em Casa Grande, a prefeitura também aderiu ao programa. A exemplo de Queluzito, o município também não teve registro descasos. Além de adotar as mesmas medidas de prevenção, a administração acredita que o clima foi favorável ao isolamento social. “A gente tem visto que o pessoal está bem recolhido. E o frio ajuda, é muito intenso”, conta o secretário municipal de Administração, José Maurílio Gonçalves.
E mesmo sob o sol, durante a pandemia o cenário é de segurança para evitar o contágio: igreja vazia, ruas livres e o som dos pássaros cantando. Na praça da igreja matriz, uma faixa que pode soar como indelicadeza pede bom senso diante da questão de saúde pública. “Você está vindo visitar sua família? Se você realmente ama eles, volte para sua casa, a saudade não mata, mas a COVID-19 sim”, diz o banner. Mensagem que até então tem dado resultado, segundo a prefeitura. “Temos um agravante que é estar próximo de Conselheiro Lafaiete e Barbacena.O risco de contaminação é grande, mas ficamos atentos”.
No posto de gasolina da cidade, o empresário Ataíde Silvério Júnior, de 50, atende pessoas de vários cantos e pressiona os visitantes. “Tenho medo (do coronavírus) porque no início as pessoas iam pra roça. Até andei discutindo com uns. Eu falava ‘ou você fica em casa ou fica em outra cidade’. Alguns até deixaram de vir aqui”, conta. No estabelecimento em frente, o comerciante Valdir Dutra, de 76, sente orgulho de não haver coronavírus em sua cidade. “Tem notícia de coronavírus nem em pensamento. Se tiver um ali com dor de cabeça eu sei aqui. Eu acho que é muito bom porque, graças a Deus, o povo aqui é sadio”, conta, comparando a doença às aparições de cobras nos sítios. “Não tenho nem um pingo de medo dessa doença. Quem guarda a gente é Deus. Aqui cobra matou mais do que coronavírus.”
Confira as cidade mineiras que ainda não foram registrados casos de Coronavírus:
Fonte Por Déborah Lima – EM
Foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press
Arte: EM

Mais lidas