Conecte-se conosco

Pandemia

Anvisa aprova importação das vacinas Sputnik V e Covaxin com restrições

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária(Anvisa) aprovou, com restrições, nesta sexta-feira (4/6), o pedido de importação excepcional das vacinas Sputnik V e Covaxin contra a COVID-19. A a diretoria colegiada da Agência autorizou por 4 votos a 1.


Os dois pedidos em análise hoje pela Anvisa foram de importação de doses da Covaxin pelo Ministério da Saúde e de doses da Sputnik V pelos Estados (Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco e Piauí).

A vacina não poderá ser utilizada em pessoas menores de 18 anos ou maiores de 60 anos, com hipersensibilidade, mulheres grávidas, lactantes, mulheres em idade fértil que desejam engravidar nos próximos 12 meses, ou com enfermidades graves.

O voto do diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Alex Machado Camposfoi pela aprovação da importação de um quantitativo reduzido para que possa ser monitorada a qualidade e eficácia dos imunizantes.

O diretor da Agência votou favoravelmente aos pleitos, mas impôs uma série de condicionantes para a compra e uso dos imunizantes no País.

“Cada passo nosso tem sido medido pelo desafio permanente se os benefícios das decisões são maiores que os riscos da solução que estamos analisando”, disse Alex Campos no início da leitura do seu parecer.

Durante seu voto, Campos destacou os aspectos que já tinham sido alvo de questionamento pela Anvisa na análise de pedidos anteriores de importação dos dois imunizantes e destacou que eles foram cumpridos pelas empresas fabricantes.

Isso porque o órgão chegou a rejeitar a importação das duas vacinas, entretanto voltou a discutir o uso da Sputnik V após pressão de governadores do Nordeste.

Fonte: Estadão Conteúdo

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mais lidas