Conecte-se conosco

Política

AMM pede a Michel Temer intervenção federal em Minas Gerais

Avatar

Publicados

em

Além de requerimento solicitando decreto de intervenção federal em Minas, AMM ainda protocolou na procuradoria geral da união uma representação contra o governo mineiro

Diante da situação econômica vivenciada no estado de Minas Gerais e a crise eminente que se instaura sobre a absoluta maioria dos municípios mineiros o presidente da Associação Mineira dos Municípios (AMM) e prefeito de Moema, Julvan Lacerda (MDB), esteve em Brasília e pediu intervenção diretamente ao presidente da república Michel Temmer (MDB).

A reunião aconteceu durante encontro de prefeitos com o presidente na sede da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), em Brasília. Na ocasião Julvan Lacerda entregou um requerimento de decreto para a intervenção federal no Estado de Minas Gerais.

Segundo relatou o presidente da AMM ao jornal O Tempo, o motivo do pedido é a falta de repasses constitucionais para os municípios mineiros. “Nós tentamos de todo o jeito. Negociando, dialogando, entrando com ações na Justiça e nada. O governo do Estado está ferindo o pacto federativo. Tivemos que pedir socorro à União, pois a Constituição Federal prevê que o governo Federal pode intervir caso o Estado não repasse os recursos aos municípios”, explicou Julvan Lacerda.

Ainda segundo informado pelo presidente da AMM o requerimento direcionado ao presidente da República é assinado em conjunto por outras 18 associações microrregionais mineiras. “O presidente foi muito receptivo com a nossa emenda. Ele é um constitucionalista e sabe que a atitude do governo de Minas fragiliza a organização do Estado”, informou Lacerda ao jornal O Tempo.

Outra medida que também foi tomada pela AMM foi a representação protocolada contra o governo de Minas na Procuradoria Geral da República (PGR). E ainda outras duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) já foram protocoladas no Superior Tribunal Federal (STF), além de 300 ações que correm nas comarcas da Justiça mineira e os protestos contra a falta de repasse dos recursos realizados pelos prefeitos mineiros. “Alguns vão acampar na porta do Palácio da Liberdade. Outros estão fechando estradas e promovendo manifestações. Há aqueles que não estão conseguindo mais pagar os salários dos professores, com a falta de repasses do Fundeb. A situação é gravíssima e as prefeituras estão à beira de fechar as portas, desencadeando uma crise sem precedentes em Minas Gerais”, Disse Lacerda.

Ainda segundo o jornal O Tempo, a Secretaria de Estado de Fazenda encaminhou uma nota oficial em resposta a uma coluna referente a falta e repasses de recursos aos municípios. No comunicado a pasta disse que o governo estadual não tem medido esforços para regularizar os débitos com os municípios. “Uma das principais medidas, a securitização da dívida, teve o processo iniciado pela Secretaria de Fazenda. Conforme já acertado com representantes dos municípios, os valores devidos serão repassados às prefeituras tão logo o governo receba os recursos oriundos da securitização,” diz a nota enviada à coluna do jornal O Tempo.

 Municípios do Centro-Oeste

Na região Centro-Oeste Mineira os municípios vem sofrendo com as condições vivenciadas devido à falta de repasses dos recursos por parte do Estado.

Em Nova Serrana, segundo informado pela prefeitura a divida já supera a casa dos R$ 26 milhões e devido a isso benefícios e ações como Auxilio Transporte universitário (tema de matéria publica na edição da ultima terça-feira), está em atraso e sem prazo previsto para quitação.

A cidade ainda vem realizando cortes em sua folha de pagamento que teve inicio com a exoneração de sete secretários e interrupção de auxílios e serviços promovidos pelo executivo quanto a instituições e parceiros no município.

Foram ainda cortados pela atual gestão, horas extras, diárias de viagens e outros benefícios, além do remanejamento de cargos e servidores, que devido a situação presenciada na cidade, pelo entendimento da administração se tornaram temporariamente necessários.

Já a cidade de Divinópolis decretou estado de crise financeira e criou um gabinete de crise para acompanhar mais um pacote de medidas adotadas no decreto de Estado de Emergência que foi publicado nesta terça-feira dia 20 de novembro no Diário Oficial dos Municípios.

A cidade que atualmente é a maior da região tomou medidas como Cortes de cargos comissionados e estagiários, manutenção de carga horária de seis horas para os funcionários, manutenção de veículos essenciais e congelamentos de reajuste de valores dos servidores, além redução de computadores e carros alugados, para tentar diminuir os impactos da crise econômica vivenciada.

Mais lidas