Conecte-se conosco

Educação

Agora a queda foi na educação: Abraham Weintraub deixa cargo de ministro da Educação

Avatar

Publicados

em

A republicação total ou parcial deste conteúdo é gratuita desde que citada a fonte com o link para o site do portal "opopularns.com.br" | A não citação da fonte com o link para o site implicará em medidas judiciais de acordo com a lei de direitos autorais 9610/98.

Em vídeo publicado nas redes sociais na última quinta-feira, dia 18 de junho, Abraham Weintraub anunciou sua saída do cargo de ministro da Educação, que ocupava desde abril de 2019. Na gravação, ele aparece ao lado do presidente Jair Bolsonaro.


Os rumores da saída do ministro se intensificaram ao longo dessa semana, especialmente após a participação dele em manifestações de apoiadores do governo no domingo. Weintraub é investigado em inquérito sobre fake news, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), e também responde uma apuração na Corte por racismo por ter publicado um comentário depreciativo sobre a China.

“Sim, dessa vez é verdade. Eu tô saindo do MEC [Ministério da Educação], vou começar a transição agora e, nos próximos dias, passo o bastão para o ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou defnitivo”, afirmou Weintraub. Ele anunciou, na sequência, que assumirá um cargo de diretor no Banco Mundial, que tem sede em Washington, nos Estados Unidos.

Ainda no vídeo o ex-ministro afirmou: “Não quero discutir os motivos da minha saída, não cabe. O importante é dizer que recebi o convite para ser diretor de um banco, eu já fui diretor de um banco no passado, volto ao mesmo cargo, porém, no Banco Mundial. O presidente já referendou. Com isso, eu, a minha esposa, os nossos filhos, e até a nossa cachorrinha, Capitu, a gente vai ter a segurança que hoje me está deixando preocupado”, acrescentou.

O agora ex-ministro disse que seguirá apoiando o presidente da República e que compartilha dos mesmos valores, citando família, liberdade, franqueza e patriotismo. Após o anúncio de Weintraub, Jair Bolsonaro declarou que o “momento é difícil”, mas que mantém os mesmos compromissos assumidos durante a campanha.

“É um momento difícil. Todos os meus compromissos de campanha continuam em pé, e busco implementá-los da melhor maneira possível. Todos que estão nos ouvindo agora são maiores de idade e sabem o que o Brasil está passando, e o momento é de confiança. Jamais deixaremos de lutar por liberdade”, afirmou.

O governo ainda não confirmou quem assumirá o MEC no lugar de Abraham Weintraub.

Gestão

Em nota, o MEC afirmou que, durante sua gestão, o ministro lançou a programa Escola de Todos e conseguiu promover economia na compra de materiais escolares. A nota também destaca o lançamento do edital para que, a partir de 2022, todas as crianças da pré-escola tenham livros. Também durante a passagem do ministro pela pasta foi implementado o projeto-piloto do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares que está em 26 cidades de 18 estados brasileiros.

Durante a pandemia, o ministério manteve repasse de recursos da merenda escolar a estados e municípios e propôs que o dinheiro fosse utilizado para a compra de alimentos a serem distribuídos pelas Secretarias de Educação em kits às famílias dos alunos.

Repercussão

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, se manifestou na tarde de hoje sobre a saída do ministro da Educação. Ele diz que espera que o MEC possa ficar melhor. “Todo mundo sabe a minha posição, então não adianta aqui ficar reafirmando, não é isso que vai melhorar o diálogo com o Ministério da Educação. Esperamos que a gente possa ter, no Ministério da Educação, alguém de fato comprometido com a educação e com o futuro das nossas crianças.”

Em nota, entidades estudantis afirmam que a saída de Weintraub do MEC é “resultado da resposta dos estudantes que foram às ruas aos milhões no ano passado no Tsunami da Educação”, como foram chamadas as manifestações em defesa da educação e de mais recursos públicos para a área.

“Seguiremos atentos com o que vier. Reforçamos que o debate sobre o adiamento do ENEM precisa passar por uma discussão mais profunda, e não apenas por uma enquete. Reafirmamos nosso compromisso com a defesa de uma educação de qualidade para todos brasileiros e todas brasileiras, uma educação que sirva para reduzir desigualdades e alcançar uma sociedade mais justa”, diz o texto assinado pela  Associação Nacional dos Pós-graduandos (ANPG), União Nacional dos Estudantes (UNE) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).

Rumo ao Banco Mundial

O Ministério da Economia informou também na quinta-feira (18) que oficializou a indicação de Abraham Weintraub para o cargo de diretor executivo do grupo de países, conhecido como constituency, que o Brasil lidera no Banco Mundial. A instituição financeira internacional efetua empréstimos a países em desenvolvimento e tem participação em fóruns e organismos internacionais. 

De acordo com a pasta, Weintraub, que é economista e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), possui qualificações para o cargo, além de ter sido um dos responsáveis pela elaboração do Plano de Governo de campanha do presidente Jair Bolsonaro em 2018. Weintraub deixou hoje o Ministério da Educação.

“Com mais de 20 anos de atuação como executivo no mercado financeiro, Weintraub foi economista-chefe e diretor do Banco Votorantim, além de CEO da Votorantim Corretora no Brasil e da Votorantim Securities no Estados Unidos e na Inglaterra”, informou a assessoria do ministro Paulo Guedes. Segundoa a nota, Weintraub também foi sócio da gestora de fundos Quest Investimentos, integrou o Comitê de Trading da BM&FBovespa, o Comitê de Macroeconomia da Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima) e foi conselheiro da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord).

A cadeira representada pelo Brasil na Diretoria Executiva do Branco Mundial é integrada por Colômbia, Equador, Trinidad e Tobago, Filipinas, Suriname, Haiti, República Dominicana e Panamá. Esses países precisam validar a indicação brasileira para que ela possa ser efetivada. A sede do Banco Mundial fica em Washington, capital dos Estados Unidos.

Leia mais...
Propaganda

Mais lidas