Conecte-se conosco

Colunistas

E agora, José?

Willian Barcelos

Publicados

em

Quase todos já ouviram a expressão: “E a gora, José?”. Ela tem como finalidade demonstrar um ambiente de indefinição quanto ao futuro, especialmente a partir de uma situação ou fato do presente.

Pois bem, no cenário político local, mesmo entre aqueles que saíram ilesos na grande operação montada para desarticular o suposto esquema de “funcionários fantasmas” na Câmara Municipal, paira o temor. Por isso, o jargão deve ser invertido: “quem deve, tem medo”.

Já pararam para pensar que os investigados tiveram conversas ou tratativas, não somente com integrantes do legislativo, mas do próprio poder executivo, durante a fase de investigações.

Quem sabe conversaram com deputados, assessores destes, ou com outros agentes que teriam interesses privados no seio da coisa pública? Houve interceptações telefônicas, e neste ponto, o medo toma conta de muitos. Pode haver delação? Pode sim.

Há cerca de um mês, o colunista deste Diário, Leonardo Junqueira, em publicação em um portal de notícias da cidade de Divinópolis disse: Cachorro acuado avança… e quando desafiado, morde! O texto, que trazia o referido título, mencionava ser natural a existência de reações a toda ou qualquer ação.

“Mas é na política que as mordidas acontecem”. Devemos considerar a possibilidade real de a Operação Kobold (fantasma em alemão) ter desdobramentos inimagináveis, com repercussões em todas as esferas e poderes.

Alguns, acuados, podem morder. Isso, no mundo animal, é natural, pois se trata de instinto de defesa. Alguém duvida que existam fantasmas ou peculato na Prefeitura? Alguém duvida que tenha havido fantasmas em legislaturas passadas?

Há quem diga que os casos que deixaram todos estarrecidos são, na verdade, a ponta do iceberg. E será que aqueles que vêm sendo apontados como os grandes malfeitores da política local vão ficar calados? O que teriam a ganhar se calando? Não sei. Mas em tempos de acordo de colaboração ou delação premiada, quem está aí, comemorando, muito cuidado!

A tempestade não passou e não venha me pedir o guarda-chuva.

WILLIAN FERREIRA CARLOS BARCELOS é professor e agente político. Licenciado em História, especialista em Administração Pública, Docência do Ensino Superior, Gestão de Recursos Humanos e Meio Ambiente, mestre em Educação, Cultura e Organizações Sociais.

Continue Lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Copyright © 2018 Ineo Sistemas